Vendas do Alibaba disparam, mas guerra tecnológica com os EUA preocupa

O principal braço de varejo da empresa recuperou os níveis pré-Covid, enquanto a receita de computação em nuvem cresceu 59% na comparação anual

Reuters
20 de agosto de 2020 às 11:04

Fachada de prédio da Alibaba, maior provedora de nuvem de dados da Ásia (18.nov.2019)

Foto: Aly Song/Reuters

O Alibaba superou estimativas do mercado nesta quinta-feira (20) com receita e lucro trimestrais impulsionados por alta nas vendas de comércio eletrônico e serviços de computação em nuvem causados pelas medidas de isolamento social.

As vendas do principal negócio de varejo do Alibaba saltaram 34%, para 133,32 bilhões de iuans (US$ 19,27 bilhões) no trimestre encerrado em junho.

Leia também:
China e EUA concordam em realizar negociações comerciais, diz ministério chinês
Governo chinês mantém taxa de juros e bolsas registram dia de quedas
Tencent, dona do WeChat, vira alvo de Trump na guerra tecnológica com a China

"Nosso principal negócio doméstico de comércio se recuperou totalmente para os níveis pré-Covid-19, enquanto a receita de computação em nuvem cresceu 59% ano a ano", disse a vice-presidente financeira, Maggie Wu.

O Alibaba é visto como um alvo potencial se o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, tomar mais medidas contra empresas chinesas, após lançar campanha contra os aplicativos TikTok e WeChat.

"Hoje, enfrentamos incertezas não apenas da pandemia global, mas também do aumento das tensões entre os EUA e a China", disse o presidente-executivo, Daniel Zhang.

O lucro líquido do Alibaba mais do que dobrou, para 47,59 bilhões de iuans. Em termos ajustados, a empresa lucrou 14,82 iuans por ação contra estimativa de 13,78 iuans, de acordo com dados da Refinitiv.

A receita foi de 153,75 bilhões de iuans, contra uma previsão de 147,77 bilhões.

Clique aqui para acessar a página do CNN Business no Facebook