Presidente do Banco Central diz que Brasil mostra 'recuperação robusta'


Da CNN, em São Paulo
24 de agosto de 2020 às 21:11

A recuperação da economia brasileira, após ter sentido os efeitos da pandemia do novo coronavírus, tem se mostrado bastante robusta. Essa é a avaliação do presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto. 

Em entrevista à CNN nesta segunda-feira (24), Campos Neto voltou a dizer que a economia brasileira passou por um efeito parecido com o “coma induzido” – em que funcionava normalmente e depois passou por um desligamento rápido de grande parte das atividades. 

“A economia brasileira teve uma piora menor em vários índices do que outras do mercado emergente e está tendo uma recuperação mais rápida”, analisou, exemplificando com o setor de indústria e serviços.  

O país, de acordo com Campos Neto, teve um começo de recuperação muito parecido com o formato de “V”.

Sobre o teto de gastos, o presidente do BC acredita que foi importante para que se conseguisse fazer os pacotes de ajuda.

"Se o teto não existisse, teria menos possibilidade de desviar de um gasto programado", avaliou. "Se não tivesse o teto, a reação do mercado teria sido muito pior. Então o teto nos protegeu nessa operação de enfrentamento com as medidas de Covid-19", acrescentou. 

Assista e leia também:

Campos Neto: limite para Selic não é intransponível, mas é preciso cautela

Bolsonaro amplia para seis meses prazo máximo para redução de salário e jornada

Zema defende aprovação de reformas que contenham expansão dos gastos públicos

Roberto Campos Neto

Roberto Campos Neto, presidente do Banco Central

Foto: CNN (24.ago.2020)

“Ainda não foi um ‘V’ completo, e agora observamos como vai ser a segunda parte da recuperação. Muito provavelmente vai ter alguma suavização, mas ainda assim a economia brasileira está se mostrando bastante robusta”, falou.

Questionado se assumiria o Ministério da Economia caso o ministro Paulo Guedes deixe o comando da pasta, Campos Neto afirmou que tem um alinhamento de ideias “muito grande” com o ministro e que nunca foi sondado “para nada”.

“Não faria sentido dado o alinhamento que temos. Acho que é uma distração e devemos concentrar os esforços, e o time é muito unido em fazer as entregas que são tão necessárias para o país”, afirmou. 

(Edição: Sinara Peixoto)