Diogo Mac Cord de Faria é nomeado secretário de Desestatização

O cargo anteriormente foi ocupado por Salim Mattar, que pediu demissão e declarou, em entrevista à CNN, que "a política não tem interesse em privatizar"

Diego Freire, da CNN, em São Paulo
26 de agosto de 2020 às 03:09 | Atualizado 26 de agosto de 2020 às 10:51
Diogo Mac Cord de Faria
Foto: Reprodução

Em decreto publicado no Diário Oficial da União (DOU) desta terça-feira (26), o governo federal nomeou Diogo Mac Cord de Faria para o cargo de secretário especial de Desestatização, Desinvestimento e Mercados. O cargo anteriormente foi ocupado por Salim Mattar, que pediu demissão e declarou, em entrevista à CNN, que "a política não tem interesse em privatizar".

A nomeação do novo secretário é assinada pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e o ministro da Economia Paulo Guedes.

Leia também:
'Governo não tinha mais papel', diz Bolsonaro sobre criação de nota de R$ 200

Diogo Mac Cord de Faria já fazia parte da equipe econômica do governo, onde era secretário de Desenvolvimento da Infraestrutura, área vinculada à Secretaria Especial de Produtividade, Emprego e Competitividade. Ele foi exonerado do cargo anterior em publicação na mesma edição do DOU. Na mesma pasta, Bruno Monteiro Portela foi nomeado secretário especial adjunto da Secretaria Especial de Produtividade, Emprego e Competitividade.

Segundo currículo disponível no site do Ministério da Economia, Mac Cord de Faria é engenheiro mecânico, mestre em Administração Pública pela Harvard e doutor em sistemas de potência (regulação do mercado de energia) pela USP.

Possui larga experiência na estruturação de projetos de concessões de infraestrutura. Foi coordenador e professor de regulação econômica e tarifas do MBA da FGV Management. Foi diretor das divisões de saneamento básico e logística da Fiesp e membro de diferentes comitês na Associação Brasileira da Infraestrutura e Indústrias de Base (Abdib). Em sua carreira, também foi sócio-líder de governo e regulação da infraestrutura da KPMG no Brasil.

No início do mês, em um mesmo dia o Ministério da Economia teve duas baixas, com os pedidos de demissão dos secretários especiais de Desestatização e Privatização, Salim Mattar, e o de Desburocratização, Gestão e Governo Digital, Paulo Uebel. Após a confirmação das saídas, Paulo Guedes classificou o fato como uma "debandada".

Na última sexta-feira, Caio Andrade foi oficializado como substituto de Uebel.