Coca-Cola vai promover reestruturação com demissões voluntária de 4 mil pessoas

A empresa disse que vai manter nove instalações operacionais em quatro regiões, junto com investimentos globais e locais de engarrafamento

Praveen Paramasivam, da Reuters*
28 de agosto de 2020 às 12:09 | Atualizado 28 de agosto de 2020 às 18:53

Garrafas de Coca-Cola: depois de segundo semestre desafiador, empresa vai cortar gastos

Foto: Reuters/Temilade Adelaja

A Coca-Cola disse nesta sexta-feira (28) que cortará quase pela metade suas instalações operacionais e oferecerá demissão voluntária a 4.000 funcionários, incluindo nos Estados Unidos, conforme a maior fabricante de bebidas do mundo lida com o impacto da pandemia de Covid-19 em suas vendas.

A empresa disse que vai manter nove instalações operacionais em quatro regiões, junto com investimentos globais e locais de engarrafamento, em comparação com seu modelo atual, que inclui 17 instalações.

Leia também:
Coca-Cola cria fundo para combater a pandemia e ajudar catadores
Havan, de Luciano Hang, registra pedido de IPO com carta inusitada a investidor

Os pacotes de demissão voluntária também serão oferecidos a funcionários no Canadá e em Porto Rico. A empresa também cortará cargos, mas não forneceu detalhes sobre os números totais dos cortes planejados da força de trabalho.

A empresa disse que terá cerca de US$ 350 milhões a US$ 550 milhões em despesas de rescisão.

A Coca-Cola reportou no mês passado uma queda de 28% nas vendas no trimestre "mais desafiador" do ano, devido ao fechamento de restaurantes, cinemas e arenas esportivas provocado pelo coronavírus.

A Coca-Cola do Brasil afirmou que, no momento, "não temos informações específicas sobre o Brasil para compartilhar. Garantimos que trataremos quaisquer anúncios locais, se houver, com responsabilidade e transparência."

Clique aqui para acessar a página do CNN Business no Facebook

* Errata: ao contrário do publicado anteriormente, a Coca-Cola não fechará fábricas. O texto foi corrigido