Governo quer anunciar auxílio de R$ 300 com acordo de que Congresso não mexa

Auxílio emergencial deve ter mais 4 parcelas, segundo fontes do Planalto

Basília Rodrigues
Por Basília Rodrigues, CNN  
31 de agosto de 2020 às 08:29 | Atualizado 31 de agosto de 2020 às 08:39

O auxílio emergencial deve ter mais 4 parcelas de R$ 300, de acordo com fontes do Planalto. Ninguém coloca a mão no fogo porque afirma que fechado mesmo só após o anúncio do presidente Jair Bolsonaro.

Nesta segunda-feira, o presidente acerta detalhes com os ministros da Economia, Paulo Guedes e o da Cidadania, Onyx Lorenzoni.

Leia também:
Caixa libera FGTS emergencial de até R$ 1.045 para nascidos em setembro
Governo quer auxílio até o fim do ano e anúncio do Renda Brasil fica para depois

Aplicativo para receber auxílio emergencial do Governo Federal
Aplicativo para receber auxílio emergencial do Governo Federal
Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil (21.jul.2020)

O anúncio está previsto para terça, com a presença de lideranças do governo, em um gesto que distribui bônus e ônus. Os aliados vão protagonizar o momento, de impacto social e político, junto com o presidente. Ao mesmo tempo, assumem a tarefa de não perder o valor de vista, na votação no Congresso.

Por ser uma Medida Provisória, o texto tem vigência imediata mas pode ser alterado no Congresso, especialmente no valor. Este é um risco.

A equipe econômica defendia o piso entre R$ 250 e R$ 300, o que desagradou o presidente. Não era apenas pela falta de recursos, mas por precaução com o quanto deputados e senadores ainda poderão esticar o texto.

(Com colaboração de Leandro Magalhães)