Pandemia elevou consumo de arroz, que vinha baixo, diz Xico Graziano


Da CNN, em São Paulo
11 de setembro de 2020 às 00:08

A alta no preço do arroz vem sendo assunto no noticiário brasileiro, com muitos temendo que o alimento aumente a inflação. Em entrevista à CNN, o ex-deputado e engenheiro agrônomo Xico Graziano diz não temer um desequilíbrio no mercado por conta do produto, e diz que o fenômeno atual é resultado da diminuição do consumo de arroz no Brasil nos últimos anos.

“O Brasil estava em situação interessante no mercado do arroz, porque nos últimos 10 anos o consumo per capta caiu de 45 quilos por habitante/ano para 34 quilos por habitante/ano,” diz Graziano.

Leia também

Procon de SP vai multar quem cobrar mais de R$ 40 no pacote de 5 kg de arroz

'Não vou interferir no mercado', diz Bolsonaro sobre preço do arroz

Alta do arroz e feijão deixa PF mais caro em casa, mas comportado no restaurante

Xico Graziano

O engenheiro agrônomo Xico Graziano em entrevista à CNN

Foto: (29.mai.2020)

“A safra de arroz estava sobrando e com preço baixo, o que levou desistência dos produtores. O Brasil tinha 9 mil produtores de arroz há 10 anos e, agora, 6 mil, embora mais produtivos.”

Graziano também entende que a pandemia aumentou o consumo de arroz no país ao fazer com que as pessoas não saíssem de casa para comer.

“Tivemos aquecimento de demanda de arroz por conta do auxílio emergencial e porque as pessoas começaram a comer mais em casa. Logo haverá ajuste de oferta e preços, não haverá inflação por alimentos no Brasil.”

(Edição do texto: Paulo Toledo Piza).