Bolsonaro reconhece dificuldade para privatizar, mas insiste em venda de ativos

Apesar das declarações, o ambicioso plano de privatizações do governo patina após mais de um ano e meio de gestão

Ricardo Brito, da Reuters
17 de setembro de 2020 às 21:14
Jair Bolsonaro: presidente não cogita privatizar o Banco do Brasil e a Caixa Econômica Federal em sua gestão
Foto: Marcos Corrêa/PR (10.set.2020)

O presidente Jair Bolsonaro reiterou nesta quinta-feira que não cogita privatizar o Banco do Brasil e a Caixa Econômica Federal em sua gestão, mas disse que, tirando poucas exceções, o governo pretende repassar a maioria dos serviços para a iniciativa privada.

Em transmissão por redes sociais ao lado do presidente da Caixa, Pedro Guimarães, Bolsonaro disse que tudo aquilo que a iniciativa privada "pode fazer por nós vamos abrir mão", mas reconheceu que qualquer privatização não é fácil.

Leia também:
Auxílio emergencial é endividamento, não dinheiro do povo, diz Bolsonaro
Em reunião extraordinária, Guedes pede à equipe alinhamento prévio de discursos

"No meu governo também, só esses três (Casa da Moeda, BB e Caixa não serão privatizadas), o restante... Não é fácil, qualquer privatização é demorada, não justifica a grande mídia falar que estou segurando, governo está segurando as privatizações", disse.

"Entendemos que tudo aquilo que a iniciativa privada pode fazer, a gente vai abrir mão disso aí, esse é o nosso pensamento", completou.

Apesar das declarações, o ambicioso plano de privatizações do governo patina após mais de um ano e meio de gestão, o que levou, recentemente, o secretário específico para essa área do Ministério da Economia, Sallim Mattar, a pedir demissão.

Clique aqui para acessar a página do CNN Business no Facebook