Estou na Secretaria e há muita coisa a fazer, diz Carlos da Costa sobre saída

Havia uma expectativa de que Costa fosse indicado pelo próprio ministro Paulo Guedes para uma vice-presidência do Banco Interamericano de Desenvolvimento. 

Anna Russi, do CNN Brasil Business, em Brasília
17 de setembro de 2020 às 21:17
Carlos da Costa, secretário especial: "Estou na SEPEC e há muita coisa a ser feita"
Foto: CNN Brasil

O secretário Especial de Produtividade, Emprego e Competitividade (SEPEC), Carlos da Costa, afirmou que, por ora, continua no governo. A possibilidade do secretário deixar o cargo havia sido levantada após reunião extraordinária convocada na última quarta-feira (16), pelo ministro da Economia, Paulo Guedes.

Havia uma expectativa de que Costa fosse indicado pelo próprio ministro para uma vice-presidência do Banco Interamericano de Desenvolvimento. 

Leia também:
Auxílio emergencial é endividamento, não dinheiro do povo, diz Bolsonaro
Em reunião extraordinária, Guedes pede à equipe alinhamento prévio de discursos

"Estou na SEPEC e há muita coisa a ser feita. Meu compromisso é com o melhor para o nosso país. Obviamente, um dia a gente vai sair desse governo, o presidente vai sair. Agora, a decisão é que continuo secretário trabalhando com uma equipe que muito me orgulha", disse em debate virtual sobre retomada econômica, promovido pela Confederação Nacional da Indústria nesta quinta-feira (17).

Costa disse que se sente honrado com a lembrança para ocupar uma posição a qual considera tão importante.  "Nem sei se sou preparado para isso", ponderou. 

Ele explicou também que a possibilidade de o Brasil indicar um nome para a vice-presidência executiva do BID existe. Na semana passada, o indicado pelos Estados Unidos à presidência do banco, Mauricio Claver-Caron, ganhou as eleições. Assim, a cadeira da vice-presidência executiva, normalmente ocupada pelo representante norte-americano, está vaga. 

"Obviamente que, durante uma eleição dessas, existem negociações. Assim, existe um compromisso de que como os Estados Unidos, que sempre ficaram com a VP executiva, cargo que toca o dia a dia do banco... como o país ficou com a presidência, (há um compromisso) de que o Brasil fique com a vice-presidência executiva", esclarece.

Clique aqui para acessar a página do CNN Business no Facebook