Avianca deu US$ 6,5 mi em bônus a executivos, apesar de recuperação judicial

Companhia também chegou a afastar 20 mil funcionários em licenças não remuneradas durante a pandemia

Do CNN Brasil Business, em São Paulo
23 de setembro de 2020 às 19:27
Companhia colocou cerca de 20 mil funcionários em licença não remunerada durante pandemia
Foto: Luiza Gonzalez/Reuters

Às vésperas de entrar com um pedido de recuperação judicial, e em meio ao afastamento não remunerado de parte de seus quadros de funcionários, a companhia aérea colombiana Avianca Holdings desembolsou US$ 6,5 milhões (R$ 36,4 milhões) em bônus para seus dois principais executivos. 

O pagamento do extra foi feito em maio, apenas cinco dias antes de a companhia entrar com um pedido de recuperação judicial nos Estados Unidos pelas dificuldades financeiras causadas durante a pandemia. A falência do braço brasileiro da aérea foi decretada em julho no Brasil.

Leia também: 
Avianca entra com pedido de recuperação judicial
Aos 89 anos, fundador da Duty Free conclui sonho de doar toda sua fortuna

As informações, divulgadas pelo canal de TV colombiano Noticias Caracol e pela agência de notícias internacionais Reuters, fazem parte dos documentos apresentados pela própria Avianca à corte responsável pelos processos de falência. 

De acordo com os papéis, foram pagos US$ 3,7 milhões ao presidente do grupo, Anco van der Werff, e outros US$ 2,8 milhões ao diretor financeiro, Adrian Neuhauser. Os pagamentos foram feitos em 6 de maio.

Pouco menos de dois meses antes, em 18 de março, os executivos já tinham recebido uma primeira parcela de bônus de outros US$ 3 milhões, divididos entre os dois. De acordo com a Avianca, o primeiro pagamento estava atrelado ainda aos resultados de 2019.

A companhia alegou que os bônus foram uma política necessária “como um incentivo à equipe da gestão da companhia para continuar fornecendo serviços à Avianca”, e que havia o temor de que eles se desligassem da empresa, ainda de acordo com a Reuters.

Durante a pandemia, a Avianca, que é a segunda maior aérea da América Latina, cancelou grande parte de seus voos e afastou cerca de 20 mil funcionários em licenças não remuneradas. 

Clique aqui para acessar a página do CNN Business no Facebook