Caminhamos para algum tipo de flexibilização da regra do teto, diz economista

Além disso, dependendo do imposto que for criado, falou a economista, trará mais dor de cabeça do que o contrário

Da CNN, em São Paulo
24 de setembro de 2020 às 22:26

Em entrevista à CNN, na noite desta quinta-feira (24) a economista Zeina Latif falou sobre a ideia do governo federal de implementar renda básica, gastar com obras públicas e, ao mesmo tempo, como vem reiterando, respeitar o teto de gastos. Para ela, porém, "estamos caminhando para algum tipo de flexibilização da regra do teto".

“Penso que o Congresso, pelo menos as principais lideranças, têm consciência de que não dá para rasgar manuais sem se preocupar com o crescimento da dívida pública, com o impacto disso na inflação”, disse.

“Mas, por outro lado, fica bastante claro que querem, sim, criar, um programa de renda, que é compreensível para socorrer e dar alento às famílias mais vulneráveis, dado que a gente tem pela frente muitos desafios do ponto de vista da economia”.

Sobre a possível criação de um novo imposto como forma de manter o equilíbrio fiscal, a economista acredita que a medida não resolverá as limitações da regra do teto.

Assista e leia também:

'Estamos absolutamente tranquilos', diz Campos Neto sobre inflação futura

Guedes: 'precisamos de tributos alternativos para desonerar a folha'

A economista Zeina Latif
Foto: CNN (24.set.2020)

“A regra do teto diz respeito ao limite para o crescimento das despesas. O governo fala em fazer uma substituição, na verdade. Cria um novo imposto para desafogar do outro lado, reduzir a tributação sobre a folha, porque vê isso como instrumento para geração de emprego”, explicou.

No entanto, na avaliação de Latif, não é nada claro que a redução da tributação da folha tem esse poder todo.

“E, sem dúvida, dependendo do imposto que for criado, como esse sobre transações, operações digitais, acho que vai trazer mais dor de cabeça do que o contrário”, pontuou.

Para ela, é um imposto que cria distorções e que vai penalizar o mercado de crédito. "Isso, do ponto de vista de recuperação da economia, vai ser, na minha opinião contraproducente”, continuou.

(Edição: Sinara Peixoto)