Câmara dos Estados Unidos adia votação de pacote fiscal de US$ 2,2 trilhões

O secretário do Tesouro e a presidente da Câmara, Nancy Pelosi, se encontraram na tarde desta quarta-feira 30, mas não conseguiram chegar a um entendimento

Estadão Conteúdo*
30 de setembro de 2020 às 20:38

Capitólio, prédio do Congresso dos Estados Unidos: democratas adiam votação de pacote de estímulos à economia norte-americana

Foto: Divulgação / Stockvault

Os democratas da Câmara dos Representantes dos Estados Unidos adiaram a votação do pacote de estímulos de US$ 2,2 trilhões, proposto pelo partido nesta semana, para dar mais tempo para um acordo com os republicanos e a Casa Branca. Assessores democratas disseram que a decisão foi tomada para permitir que os dois lados continuem conversando por mais um dia antes da votação.

O secretário do Tesouro, Steven Mnuchin, e a presidente da Câmara, Nancy Pelosi, se encontraram na tarde desta quarta-feira 30, mas não conseguiram chegar a um entendimento. "Encontramos áreas onde buscamos mais esclarecimentos", disse a democrata após a reunião. "Nossas conversas vão continuar", acrescentou Pelosi.

Leia também:
Donald Trump ou Joe Biden: de que lado está o mercado financeiro?
Como (e por que) os bilionários dos Estados Unidos podem não pagar impostos?

O montante de US$ 2,2 trilhões é menos abrangente do que o pacote fiscal de US$ 3,5 trilhões que foi aprovado em maio na Câmara, mas não foi apreciado pelo Senado, de maioria republicana.

"Ainda não temos um acordo, mas temos mais trabalho a fazer", disse Mnuchin após o encontro. "Vamos ver onde vamos parar", completou. O secretário do Tesouro e a presidente da Câmara tem feito um esforço de última hora para tentar aprovar mais estímulos fiscais antes da eleição presidencial de 3 de novembro embora haja ceticismo no Congresso sobre a possibilidade de um acordo neste momento.

Com informações da Dow Jones Newswires*

Clique aqui para acessar a página do CNN Business no Facebook