Guinada populista do governo pode gerar crise fiscal, diz Eduardo Gianetti

O economista entende que o auxílio emergencial mostrou ao presidente Jair Bolsonaro (sem partido) uma “mina de ouro eleitoral” que pode alterar sua popularidade

Da CNN, em São Paulo
09 de outubro de 2020 às 22:54

Com uma indefinição cada vez maior sobre como será o Renda Cidadã e de onde sairão os recursos para o pretenso programa, o economista Eduardo Giannetti da Fonseca, autor e professor de economia, demonstra preocupação com as possíveis saídas para o programa social

“O ideal para o pós pandemia é continuar com um programa de renda, um bolsa família estendido para atenuar o impacto de uma súbita suspensão do auxílio. Mas temos uma enorme restrição por conta do quadro fiscal brasileiro,” disse em entrevista à CNN nesta sexta-feira (9).

“Se ficar claro no início de 2021 que o governo deu uma guinada populista, gastando além do que arrecada, vamos caminhar para uma crise fiscal, obrigando o governo a aumentar os juros e forçando a inadimplência.”

Leia também

Renda Cidadã ficou para depois das eleições, admite relator da proposta

Brasil precisa reforçar compromisso com o teto de gastos, diz VP da Moody's

Maia ‘alerta’ Rogério Marinho sobre ataques ao teto de gastos

O economista entende que o auxílio emergencial mostrou ao presidente Jair Bolsonaro (sem partido) uma “mina de ouro eleitoral” e que sua popularidade está bastante ligada ao benefício.

Gianetti também falou do ministro da Economia, Paulo Guedes, o qual considera a última barreira do governo para executar o populismo econômico, burlando o teto de gastos.

“Não tenho clareza se o governo vai conseguir criar uma continuidade para o auxílio emergencial. Isso vai depender da presença de Guedes, porque ele é o compromisso com a austeridade em um governo onde a guinada populista na política já foi feita. Se ele sair, caminhamos para uma gambiarra para desrespeitar o teto de gastos.”