Pequenos lojistas defendem limite de 8 horas e temem que ampliação gere prejuízo

Segundo a Associação Brasileira dos Lojistas Satélites, aumento do horário no comércio para 12 horas trará mais gastos do que lucro neste momento

Da CNN
13 de outubro de 2020 às 08:53

A permissão para os shoppings de São Paulo voltarem ao horário normal ainda é tema de discussão entre os lojistas. 

Pequenos e médios empreendedores de shoppings centers estão pedindo que os estabelecimentos mantenham o funcionamento máximo de oito horas – e não de até 12 horas, como foi permitido pelo governo de São Paulo na última semana.

Segundo a Associação Brasileira dos Lojistas Satélites (Ablos), que defende a manutenção do funcionamento por até 8h, os lojistas que optarem por abrir as portas das 10h às 22h terão mais gastos do que faturamento.

Leia e assista também:
Governo de São Paulo amplia horário de funcionamento de serviços não essenciais
10% dos lojistas não devem reabrir em SP, por problemas financeiros, diz Alshop
Prefeitura de BH amplia horário de funcionamento de bares e restaurantes

Movimento em loja em shopping de São Paulo
Foto: CNN Brasil (13.out.2020)

Isso porque, além da capacidade máxima de lotação continuar limitada em 60%, as duas horas iniciais e finais são fracas para o comércio devido ao fraco movimento. 

Por outro lado, a Associação Brasileira de Lojistas de Shopping (Alshop) é a favor da ampliação de horário.

Lojistas colocam anúncio em vitrine de loja em shopping na capital paulista
Foto: CNN Brasil (13.out.2020)

(Edição: André Rigue)