Com prejuízo de R$ 252,1 mi, CVC Corp vê receita cair 99% no 2º trimestre

A operadora de turismo atrasou a divulgação de seu números após encontrar distorções contábeis. A companhia espera apresentar os dados do 3º tri em 16/11

Reuters
20 de outubro de 2020 às 11:26
Fachada de loja da CVC (10.abr.2020)
Foto: Divulgação/CVC

A CVC Corp teve prejuízo líquido de R$ 252,1 milhões no segundo trimestre, revertendo lucro pro forma de R$ 98,5 milhões de um ano antes, de acordo com dados divulgados nesta terça-feira à Comissão de Valores Mobiliários (CVM).

A operadora de turismo atrasou a divulgação de seu números após encontrar distorções contábeis. A companhia espera apresentar os números do terceiro trimestre em 16 de novembro.

Leia também:
CVC que se cuide: Rappi vem aí para vender pacote de turismo e viagem de negócio
Vendas na CVC sobem, mas patamar pré-pandemia ainda está distante
CVC: Turismo voltará ao normal somente em 2023, diz CEO

As reservas confirmas despencaram 94,7%, para R$ 252,2 milhões entre abril e junho, fortemente afetadas pelas medidas de restrição à circulação em razão da pandemia de Covid-19.

A receita líquida totalizou R$ 3 milhões, de R$ 529,4 milhões no segundo trimestre de 2019, com a margem líquida ficando em 1,2%, de 12,1% um ano antes, conforme dados pro forma.

O Ebitda ajustado ficou negativo em R$ 155,3 milhões, contra resultado positivo de R$ 197,3 milhões no segundo trimestre de 2019.

No comunicado, a CVC afirma que o resultado do terceiro trimestre já apresenta significativos e consistentes sinais de retomada.

Apenas no Brasil, o prejuízo líquido totalizou R$ 228,9 milhões, frente a um lucro líquido de R$ 34,5 milhões no mesmo período de 2019, fortemente impactado pela abrupta queda na receita líquida, de 99%, para R$ 4,4 milhões.

De acordo com a CVC, a geração de caixa operacional nos 6 primeiros meses de 2020 totalizou R$ 916,1 milhões. A posição de caixa somava R$ 1,1 bilhão em 30 de junho e R$ 1,6 bilhão em 15 de outubro (dado não auditado).

A empresa ainda ressaltou que, de um endividamento total na ordem de R$ 2 bilhões, há R$ 600 milhões vencendo em novembro de 2020 e a companhia está avaliando alternativas de captação e/ou rolagem dessa dívida.

"Adicionalmente, a companhia continua discutindo com os detentores de suas debêntures a obtenção de waivers para evitar o seu vencimento antecipado", acrescentou.

Clique aqui para acessar a página do CNN Business no Facebook