Sami capta R$ 86 milhões e deve se tornar operadora de plano de saúde para PMEs

Os planos, que devem atender empresas de pequeno porte e profissionais liberais em São Paulo, deverão custar entre R$ 200 e R$ 400 e darão acesso ao Gympass

Do CNN Brasil Business, em São Paulo
20 de outubro de 2020 às 09:41
Vitor Asseituno e Guilherme Berardo, fundadores da Sami
Foto: Sami/Divulgação

A healthtech Sami anunciou nesta terça-feira (20) que recebeu um aporte de R$ 86 milhões comandado pela Valor Capital Group e pela monashees. Outros fundos como Redpoint eventures e Canary já participavam da empreitada.

"Queremos melhorar o atendimento ao paciente e também beneficiar todo o sistema, que precisa com urgência de uma transformação", explica Dr. Vitor Asseituno, médico e presidente da startup, fundada pelo próprio em 2018.

Leia também:
Ações da Pague Menos podem subir 38%, diz JPMorgan
Fundador da Qualicorp lança operadora de planos de saúde Qsaúde

"Hoje encontramos um mercado de contratação difícil e burocrática que oferece planos caros e sem qualidade, valorizando mais a quantidade de procedimentos do que a orientação e o cuidado coordenado de saúde. As pessoas pagam caro e na hora que precisam não conseguem usar.”

Este anúncio marca a transformação da startup em uma operadora de planos de saúde, passando a atender empresas de pequeno porte e profissionais liberais em São Paulo. Os planos deverão custar entre R$ 200 e R$ 400 e darão acesso ao Gympass.

O primeiro hospital parceiro da Sami será a Beneficência Portuguesa de São Paulo, local em que a empresa também terá clínica para atendimento primário. Agora a empresa corre para conquistar a confiança de novos clientes.

Mas, apesar da mudança no foco, a healthtech continuará trabalhando junto às operadoras, como a Unimed, prestando serviços de análise de dados e telemedicina para dinamizar os serviços prestados ao consumidor final. A empresa, que tinha 15 funcionários antes da pandemia, agora tem mais de 70.

Nessa linha, o setor é extremamente promissor e carente de tecnologia. O Brasil é o 2º maior mercado privado de saúde do mundo, atrás apenas dos Estados Unidos, mas enfrenta custos crescentes. Em 2018, a média de reajuste dos contratos de planos coletivos foi de 13,32%. Entre 2013 e 2018, a inflação dos planos empresariais chegou exorbitantes 158,35%. 

“Na Sami somos norteados por valores como inteligência na saúde, confiança na relação e respeito ao tempo e dinheiro dos envolvidos. Isso nos leva a um serviço que preza pelo histórico médico coordenado com outros profissionais, uma medicina preventiva com um time de saúde disponível 24 horas por dia pelo aplicativo e muito respeito e transparência em todo o processo", completa Asseituno.

A Sami conta ainda três sócios conhecidos do mercado. Paulo Veras, ex-CEO e fundador da 99; Sérgio Ricardo dos Santos, ex-CEO da Amil, e Alan Warren, ex-Vice-Presidente do Google, criador do Google Drive e ex-CTO da Oscar Health, operadora digital de planos de saúde investida pelo Google que recentemente anunciou IPO para 2021.

Clique aqui para acessar a página do CNN Business no Facebook