Waack: a promessa e a ameaça do acordo comercial entre EUA e Brasil

Assessor de segurança nacional dos EUA, Robert O'Brien, prometeu investimentos no país, mas deu recado claro: não entrem em acordo com a China, sobre 5G

Da CNN
20 de outubro de 2020 às 10:19

No quadro CNN Poder desta terça-feira (20), na CNN Rádio, William Waack analisa o pacote comercial anunciado por Estados Unidos e Brasil com medidas para facilitar o comércio entre os países, desburocratizar a regulação e reduzir a corrupção.

"Esses acordos dos quais estão se falando vem sendo costurados desde 2011 com ênfase em 2016. Quais são os problemas: [aspectos] regulatório e burocrático. E qual problema não se está tratando: as questões tarifárias", disse o jornalista.

Para Waack, o acordo entre os dois países é uma demonstração de “good will”, ou seja, boa vontade de ambos os lados.

Assista e leia também:
Brasil e EUA assinam acordo para facilitar comércio e desburocratizar regulação
Delegação norte-americana participa de encontro na Fiesp
EUA querem Brasil em 'rede limpa' de 5G, sem Huawei, diz embaixador americano

William Waack conduz o CNN Poder, na CNN Rádio
Foto: CNN Brasil

Pesa a favor o fato de o assessor de segurança nacional dos EUA, Robert O'Brien, estar na comissão norte-americana que anunciou o pacto.

"O'Brien não perdeu tempo e já veio com o cheque em uma mão – e a promessa de alguns dos bancos públicos colocarem fundos em investimentos em infraestrutura no nosso país – acoplada a uma ameaça: tirem a China da nossa frente", disse Waack.

"Em bom português: não entrem em acordo com a China, sobretudo com a Huawei, que é a grande fornecedora de equipamentos de telecomunicações da China para as obras de infraestrutura de 5G. É isso que se chama, no velho ditado, amigos sim, negócios… bem a parte."

(Edição: André Rigue)