Na bolsa há um mês, ação da Petz já subiu 20% e pode subir mais 20%, diz BTG


Juliana Elias, do CNN Brasil Business, em São Paulo
21 de outubro de 2020 às 14:58
Petz

Petz possui 110 lojas e 99 centros veterinários espalhados pelo país

Foto: Facebook/Divulgação

As ações da rede de pet shops Petz, que começaram a ser negociadas na B3, a bolsa de valores brasileira, em 11 de setembro, tiveram um bom primeiro mês de vida: elas já subiram 20,7% desde a IPO (sigla em inglês para oferta Inicial de ações).  

O resultado vai na contramão da maioria das empresas que entraram na enxurrada de aberturas de capital deste ano e do próprio Ibovespa, o índice de referência da bolsa paulista que está andando de lado em torno dos 100 mil pontos há meses. 

Leia também: 
IPOs: saldo das ações novatas na B3 em 2020 é negativo até aqui
O que é IPO e como funciona o processo para as empresas que querem vender ações
Prazo para entrar no IPO da Track&Field está prestes a terminar; vale a pena?

Para o banco BTG Pactual, a alta está longe de ser apenas uma euforia de momento, a ação ainda tem espaço para subir bem mais e a recomendação aos clientes é de compra. A equipe de análises do banco iniciou nesta semana a cobertura das ações da varejista voltada aos pets.

Na estimativa do BTG, o papel tem fôlego para subir até os R$ 20 nos próximos 12 meses, o que ainda significaria um ganho de mais 20,5% para quem chegar agora – na tarde desta quarta-feira, as ações da Petz eram negociadas perto de R$ R$ 16,60, com alta de 1,3%, para um Ibovespa que subia 0,5%. 

O preço de inauguração da companhia na bolsa, em setembro, foi de R$ 13,75. Se o preço-alvo de R$ 20 do BTG se confirmar, o ganho para quem tiver a ação desde o primeiro dia será de 45,5%. 

O 'universo Pet' é favorável

Por trás do otimismo, está o fato de os brasileiros tratarem seus animais como pessoas da família – entre outros impulsos de um mercado que ainda tem muito para crescer no país. 

“Donos de animais de estimação migraram da “propriedade” para a “paternidade”, cuidando de seus animais como uma parte da família”, escreveu o BTG em relatório aos clientes. 

“No Brasil, este é um setor que cresce 11% ao ano desde 2015, com espaço para mais crescimento, especialmente com o e-commerce (ainda só 4% das vendas) ganhando tração. A Petz já é uma das líderes no segmento de pets do varejo, mas trata-se de um setor que, no Brasil, é ainda muito fragmentado (mais de 50% está nas mãos de pequenos pet shops e clínicas veterinárias locais).”

Essa fragmentação, na análise do banco, pode ser favorável à Petz, que leva vantagens sobre os competidores de menor porte com sua rede de lojas de presença nacional e sua integração entre canais de venda físicos e online.

A principal concorrência deve ser sentida de grandes marketplaces como Magazine Luiza e B2W, que têm expandido rapidamente os canais digitais, embora não sejam especializados no nicho de animais. 

A Petz possui atualmente 110 lojas espalhadas por 16 estados, além de ter a maior rede de centros veterinários no Brazil, com 99 unidades, de acordo com o BTG. 

Clique aqui para acessar a página do CNN Business no Facebook