Governo comemora recuperação da indústria, mas quadro fiscal pode abortar festa

Apesar desse otimismo do governo, economistas são mais cautelosos e dizem que a recuperação rápida não é prova de crescimento consistente e sustentável

Fernando Nakagawa
Por Fernando Nakagawa, CNN  
23 de outubro de 2020 às 15:25 | Atualizado 23 de outubro de 2020 às 15:40
Montadora: para economistas, rápida recuperação da indústria não é prova de crescimento consistente e sustentável
Foto: Nacho Doce/Reuters

A indústria do Brasil emite sinais de recuperação mais rápida que em outros países. O fato é apontado por uma pesquisa internacional e que tem sido comemorada pela equipe econômica. Apesar desse otimismo do governo, economistas são mais cautelosos e dizem que a recuperação rápida não é prova de crescimento consistente e sustentável à frente.

Ao contrário, há consenso de que o Brasil carrega mais incertezas que outras nações, principalmente na área fiscal, o que pode abortar esse movimento.

No início do mês, a pesquisa PMI – sigla em inglês para Índice Gerente de Compras e que mede a movimentação entre as empresas – sobre a indústria do Brasil revelou “expansão em níveis quase recordes em novas encomendas e na produção industrial, além de um retorno ao crescimento das exportações”.

Leia também:
Prévia da inflação: IPCA-15 acelera a 0,94%, maior alta para outubro desde 1995
Desemprego tem novo recorde e atinge 13,5 milhões em setembro, diz IBGE

O relatório cita que setembro “assinalou a mais acentuada melhora do setor desde o início da coleta de dados, em fevereiro de 2006”.

Essa pesquisa mede a atividade econômica em uma escala que vai de 0 a 100. Medições acima de 50 indicam expansão e abaixo, contração da atividade. Em setembro, o PMI industrial do Brasil ficou em 64,9. Nesse período, o país ficou muito à frente de outras grandes economias. A Índia registrou 56,8, a Alemanha ficou logo atrás com 56,4 e a China marcou 53 no mês passado, conforme a pesquisa da consultoria IHS Markit. 

Esse desempenho tem sido destacado pelos brasileiros em reuniões com autoridades internacionais, como no encontro de vários países latino-americanos com o diretor do Departamento do Hemisfério Ocidental do Fundo Monetário Internacional, Alejandro Werner, realizado mais cedo por videoconferência.

Quando a pesquisa foi divulgada, a diretora da consultoria IHS Markit, Pollyanna De Lima, comentou que a indústria brasileira tem sido beneficiada pela reabertura da economia e pelo aumento das exportações incentivadas pelo real fraco. Ela destacou, porém, que essa rápida reação tem gerado distorções.

Em setembro, houve recorde de pedidos em atraso, o que mostra que a cadeia produtiva está sob pressão, especialmente pela escassez de mão de obra e matéria-prima disponível. Isso tem gerado aumento de custos, destacou.

Todo esse quadro pode gerar comemoração, mas também tem despertado atenção do outro lado do balcão. A grande preocupação é que pode faltar combustível para a indústria seguir na quinta marcha. 

Uma amostra dessa cautela veio mais cedo com o Índice de Confiança do Consumidor (ICC) da Fundação Getúlio Vargas. O indicador caiu em outubro e interrompeu as altas seguidas vistas desde maio. A pesquisa destaca que consumidores de todas as faixas de renda estão mais reticentes sobre a pandemia e como será a retomada, especialmente quando acabarem os programas federais de renda e emprego. Confiança menor do consumidor gera menos consumo, o que afeta negativamente a indústria. 

As exportações brasileiras que subiram rapidamente nos últimos meses também ganharam um ponto de interrogação com o temor de segunda onda da Covid-19 na Europa e Estados Unidos, dois grandes compradores da indústria nacional. 

O problema maior, porém, parece vir do mercado financeiro. A equipe de economistas do Bradesco BBI, por exemplo, teve conversas recentes com uma série de 35 investidores internacionais sobre o Brasil. No geral, o grupo adotou o modo “aguardar para ver” porque, apesar das oportunidades, os riscos são grandes no país. “Todos os olhos estão nos políticos e na política fiscal.

O presidente Jair Bolsonaro e os membros do Congresso precisam decidir a política fiscal de 2021”, resume o relatório assinado pela equipe liderada pelo economista André Carvalho. Para esses estrangeiros, só a clareza sobre o futuro das contas públicas fará com que voltem a investir no Brasil.

Clique aqui para acessar a página do CNN Business no Facebook