Rivalidade EUA-China não vai acabar por causa de Joe Biden

Economistas e especialistas em relações comerciais acreditam que os dois países irão se distanciar ainda mais em comércio e tecnologia

Jill Disis*, do CNN Business, em Hong Kong
10 de novembro de 2020 às 05:00
Bandeira da China em Pequim
Bandeira da China em Pequim: Especialistas acreditam que os dois países vão se distanciar mais
Foto: Jason Lee/Reuters

O presidente Donald Trump passou grande parte de seu mandato definindo Pequim como o maior adversário político e econômico de Washington. Não espere mudanças drásticas com a chegada de Joe Biden ao comando, mesmo que ele evite a fanfarronice e a imprevisibilidade de seu antecessor. 

Economistas e especialistas em relações comerciais acreditam que os Estados Unidos e a China irão se distanciar ainda mais em comércio e tecnologia, já que o governo norte-americano deve continuar examinando todos os aspectos de sua relação com a segunda maior economia do mundo. 

Leia também: 
Trump x Biden: Diferentes nos impostos, parecidos no protecionismo à indústria
Eleição de Biden não deve fazer os EUA elevarem as importações brasileiras

“Temos uma rivalidade sistemática fundamental entre esses dois sistemas”, disse Alex Capri, pesquisador da Heinrich Foundation e pesquisador sênior e professor da Universidade Nacional de Cingapura. “De muitas maneiras, essa rivalidade vai se intensificar”. 

Tensões fundamentais 

O ano de 2020 destacou grandes tensões e uma falta de confiança entre as duas nações mais poderosas do planeta. Apesar de chegar a um acordo comercial em janeiro, Estados Unidos e China ainda têm que resolver vários pontos de conflito econômico, incluindo alegações dos EUA de que o governo chinês rouba tecnologia norte-americana e dá tratamento preferencial demais a corporações estatais às custas de empresas estrangeiras. 

Enquanto isso, o governo norte-americano tem se tornado cada vez mais cauteloso em relação à tecnologia chinesa e se ela poderia ser usada para espionar os americanos. Esse medo fez com que legisladores (republicanos e democratas) vissem a China como uma grande ameaça à segurança nacional dos EUA.

Basta olhar, por exemplo, para o suporte para sanções que Washington impôs à empresa de tecnologia Huawei e as etapas que os políticos norte-americanos estão adotando para tornar mais difícil para as empresas chinesas negociar nas bolsas dos EUA, por exemplo. 

O coronavírus só agravou essas diferenças quando a China e os Estados Unidos trocaram acusações sobre o início e o manejo incorreto da pandemia. Além disso, os confrontos em Hong Kong e os supostos abusos de direitos humanos na região de Xinjiang, China, aumentaram uma divisão política que provavelmente continuará a crescer nos próximos anos.  

Parte inferior do formulário 

“Biden foi muito claro sobre como deseja proceder e tem havido apoio bipartidário para uma linha dura”, opinou William Reinsch, especialista em comércio do Center for Strategic and International Studies (Centro de Estudos Estratégicos e Internacionais) que atuou por 15 anos como presidente do National Foreign Trade Council (Conselho de Comércio Exterior).

Ele ressaltou que o Senado poderia muito bem permanecer sob controle republicano no novo ano. O melhor que os democratas podem esperar é a menor maioria do Senado. 

O presidente eleito “estará sob constante pressão crítica dos falcões republicanos que atacam a China no Congresso para ser mais agressivo”, disse Reinsch ao CNN Business. “Não há muito que eles possam fazer a curto prazo além de reclamar, mas isso tornará o ambiente pior do que já está”. 

Uma mudança de tom

É quase certo que haverá uma mudança de estilo com o governo Biden. Trump não é conhecido por medir palavras: ele disse uma vez que os Estados Unidos não podiam “continuar permitindo que a China estupre nosso país” e tem se referido repetidamente à Covid-19 como o “vírus da China".

“O tom de Biden vai ser diferente, muito mais diplomático”, afirmou Capri, da Heinrich Foundation. Ele espera que o novo regime siga mais de perto o procedimento há muito estabelecido antes de impor à China novas tarifas ou sanções.

O especialista lembra que milhares de empresas norte-americanas processaram os Estados Unidos por impor tarifas sobre produtos chineses, uma decisão que eles argumentam que prejudica seriamente seus negócios.

“Honestamente, havia apenas caos no Departamento de Comércio durante o governo Trump”, acrescentou Capri. “Historicamente, o processo consiste em consultar a indústria dos Estados Unidos”. (O governo Trump defendeu sua abordagem linha-dura para a China como necessária para corrigir um relacionamento desequilibrado, e o presidente disse a repórteres em janeiro que sua "fase um" do acordo comercial criaria “justiça econômica” para os norte-americanos.)

A China também parece estar se preparando para uma retórica menos agressiva.

Evitando as questões sobre a posição de Pequim sobre o resultado das eleições nos EUA, o governo chinês disse na segunda-feira (9) que “notou” que Biden declarou vitória, embora reconhecesse que a eleição seria determinada de acordo com as leis e procedimentos dos EUA.

“A China e os Estados Unidos devem fortalecer a comunicação e o diálogo”, disse o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores chinês, Wang Wenbin, a repórteres na segunda-feira, acrescentando que tal desejo se estende à promoção de relações “saudáveis e estáveis”.

Os burocratas e diplomatas chineses estão divididos sobre se Biden seria melhor no comando dos Estados Unidos do que Trump para lidar, de acordo com Ian Bremmer, presidente e fundador da consultoria Eurasia Group.

Para ele, os “lobos guerreiros” da China, diplomatas que defendem Pequim agressivamente contra as críticas ferozes sobre o país, provavelmente prefeririam Trump, já que sua liderança enfraquece os parceiros de aliança tradicionais dos Estados Unidos e fornece bases para equivalência moral em termos de direitos humanos e unilateralismo.

No geral, porém, “os chineses não querem ver o modelo norte-americano implodir”, acrescentou. “Eles percebem que se beneficiam de um EUA estável que continua a desempenhar um grande papel na ordem global”.

Um desembaraço inevitável

Não importa como Biden fale sobre as relações EUA-China, os dois países provavelmente continuarão tentando separar suas economias.
Analistas do JP Morgan escreveram no mês passado que uma vitória de Biden deixaria os dois países lutando por redes 5G, computação quântica, inteligência artificial e biotecnologia.

“Ao disputar o domínio nessas áreas, os EUA e a China decidiram se separar, reduzir a cooperação, restringir o compartilhamento de tecnologia e até mesmo fechar ... o comércio em alguns casos”, escreveram.

Capri disse que a China tem se preparado para uma ruptura maior entre as duas maiores economias do mundo.

“Se você é a China, não está fazendo nada diferente, e sim apostando”, disse, acrescentando que espera que o país reduza ainda mais sua dependência dos produtos norte-americanos. O governo chinês do aumento de suas capacidades tecnológicas e autossuficiência uma parte central de seu próximo plano de cinco anos, ressaltando a importância da política.

“É um grande problema para o Partido Comunista Chinês depender da tecnologia norte-americana”, disse Capri. “É simples assim.”

Pequim também pode descobrir que o governo Biden é muito mais eficaz na construção de uma coalizão internacional para desafiar a China sobre subsídios estatais, direitos para empresas estrangeiras ou proteção à propriedade intelectual. As relações EUA-UE foram tensas sob Trump como os dois aliados disputa sobre comércio.

“A ausência de uma posição comum entre os países desenvolvidos nos últimos anos se deve em grande parte à tendência do atual governo dos EUA de ‘agir sozinho’”, escreveu Louis Kuijs, chefe de Economia da Ásia da Oxford Economics, em nota de pesquisa na segunda-feira.

*Com o escritório da CNN em Pequim e Hanna Ziady

(Texto traduzido, clique aqui para ler o original em inglês)

Clique aqui para acessar a página do CNN Business no Facebook