Alphaville interrompe IPO pela 2ª vez; já são 21 empresas que adiaram a listagem

Peter Frontini, da Reuters
11 de novembro de 2020 às 10:58
 
Foto: Reuters/Rahel Patrasso


A empresa de loteamentos residenciais Alphaville interrompeu na noite da véspera sua oferta inicial de ações (IPO, na sigla em inglês) mencionando uma "conjuntura de mercado desfavorável".

A oferta, que seria precificada na terça-feira, já havia sido interrompida uma vez, sob o nome de sua controlada Alphaville Urbanismo, antes de ser retomada em agosto.

A Alphaville informou em comunicado que "permanece monitorando as condições de mercado e avaliando a possibilidade de dar continuidade à oferta".

Leia também:
BRZ e Le Biscuit saem da fila do IPO; já são 20 desistências neste ano
Temporada de IPOs na bolsa: vale a pena comprar ação de uma empresa estreante?

Na segunda-feira, a construtora BRZ e a rede de lojas de departamento Le Biscuit desistiram dos planos para listar suas ações na B3.

As desistências sublinham como o cenário volátil do mercado de capitais tem atrapalhado planos de empresas de buscarem recursos na bolsa para financiar projetos de crescimento. Por um lado, 22 companhias já movimentaram cerca de R$ 60 bilhões em IPOs neste ano, já é o segundo melhor desde 2007. Por outro lado, as desistências atingem cifras inéditas.

Algumas das empresas que decidiram levar adiante seus planos de listagem inicial na B3 tiveram que se submeter a avaliações muito inferiores às pretendidas. É o caso do brechó online Enjoei, que estreou na segunda-feira (9), após ter precificado seu IPO na semana passada no piso da faixa estimada pelos coordenadores.

Clique aqui para acessar a página do CNN Business no Facebook