Comércio do Rio espera ter aquecimento com Black Friday e Natal

Pesquisa mostra que, esse ano, 90% das lojas físicas consultadas pretendem participar da Black Friday

Isabelle Resende e Isabelle Saleme, da CNN, no Rio de Janeiro
11 de novembro de 2020 às 13:46


 

A tradicional data do comércio varejista nos Estados Unidos, responsável por uma significativa parcela das vendas no mercado americano, a Black Friday se expande no Brasil e cada vez mais deixa de ser restrita ao e-commerce. Num shopping da zona sul carioca já é possível ver os anúncios de promoções. Quase todos os lojistas estão envolvidos na campanha. “A Black Friday veio de fora para ficar. Cada vez mais temos lojistas que participam”, afirma Fabiana de Luna, gerente de marketing do centro comercial.

Uma pesquisa feita pelo Clube de Dirigentes Lojistas do Rio de Janeiro (CDLRio) mostrou que, esse ano, 90% das lojas físicas consultadas pretendem participar da Black Friday, 10% mais do que em 2019. Entre os atrativos para o consumidor nos estabelecimentos estão a possibilidade de levar a mercadoria na hora e de negociar descontos maiores com os vendedores.

Leia também:

Black Friday 2020: veja o que os brasileiros mais querem comprar na data
Os planos do Mercado Livre para ter a maior Black Friday de sua história
Amazon teve maior Prime Day de todos os tempos, mas preferiu ser discreta

Lojas fazem preparação para a Black Friday no Rio de Janeiro
Foto: Isabelle Saleme/CNN

Mais de 88% dos 500 lojistas entrevistados acreditam que essa edição da Black Friday possa incrementar as vendas em até 5%, com oferecimento de descontos entre 30% a 50%, não apenas no dia, mas ao longo da semana de promoção.
Os lojistas acreditam que os produtos mais procurados serão eletrodomésticos, eletrônicos e material de informática, smartphones, moda e artigos para casa e decoração.

Segundo Aldo Gonçalves, presidente do CDLRio e do SindilojasRio, que juntos representam mais de 30 mil lojistas, o resultado das vendas de alguns produtos da promoção no ano passado igualou-se em alguns casos às vendas natalinas e a antecipação da data também é uma forma de atrair clientes em tempos de crise. "Numa época de grande dificuldade econômica como a que estamos vivenciando atualmente no país, especialmente no Estado do Rio de Janeiro, a Black Friday pode representar uma boa ferramenta de marketing e uma excelente oportunidade para oferecer promoções", disse.

Expectativa para o Natal

O Natal, a maior data comemorativa para o comércio, responsável por cerca de um terço do faturamento anual do setor, esse ano tem expectativa de vendas abaixo do normal. A pouco mais de um mês para a festa, os lojistas cariocas estimam um aumento de 3% nas vendas no período. De acordo com Aldo Gonçalves, o moderado otimismo dos lojistas é reflexo do fraco desempenho das vendas em todas as datas comemorativas anteriores esse ano. “No caso do Estado do Rio de Janeiro, a dificuldade econômica também está inibindo o consumidor. E quando a economia não vai bem afeta o clima de otimismo e inviabiliza as compras“, diz o presidente do CDLRio.

Ainda segundo o levantamento com os lojistas, os presentes mais vendidos nesse fim de ano devem ser roupas, calçados, brinquedos, bolsas e acessórios, celulares, perfumaria e beleza, bijuterias e eletroeletrônicos. A pesquisa mostrou que o preço médio dos presentes por pessoa deve ser de R$ 170,00 e que os clientes deverão utilizar o cartão de crédito como principal forma de pagamento.

Para aumentar as vendas 60% dos entrevistados no levantamento disseram que pretendem abrir as lojas aos domingos no mês de dezembro e estender o horário de atendimento. Para isso 68% dos lojistas de rua pretendem aumentar a segurança com equipes de apoio e melhorar o monitoramento com câmeras.

A fim de estimular os consumidores, os comerciantes também estão fazendo promoções, descontos, planos de pagamentos facilitados, kits promocionais, liquidações, brindes, sorteios, lançaram novos produtos e aumentaram a variedade de produtos.