Regulador do mercado financeiro diz que influenciadores podem estar te enganando

As redes sociais têm sido palco de uma enxurrada de pessoas que sugerem investimentos, oportunidades financeiras e dicas para comprar essa ou aquela ação

Fernando Nakagawa
Por Fernando Nakagawa, CNN  
12 de novembro de 2020 às 07:11 | Atualizado 12 de novembro de 2020 às 09:22
Fernando Nakagawa
Abertura de Mercado é um podcast diário com as principais notícia econômicas
Foto: CNN Brasil

 

A nota da CVM diz, entre outras coisas, que “ostentar resultados positivos com operações em valores mobiliários que não condizem com a realidade com o intuito de captar investidores para cursos pode caracterizar crime de propaganda enganosa".

No episódio de hoje:

- As redes sociais têm sido palco de uma verdadeira enxurrada de pessoas que sugerem investimentos, oportunidades financeiras e dicas para comprar essa ou aquela ação;
- O órgão do governo que regula o mercado financeiro, a CVM, emitiu um alerta sobre o tema;
- Primeiro, alerta que a função de analista é regulada e precisa de credenciamento para a atividade;
- Há algumas características que indicam essa atividade profissional que pode ser ilegal, como a frequencia das recomedações, cobrança de mensalidade ou assinatura ou mesmo a receita indireta gerada pelos investimentos realizados;
- A CVM diz ainda que não adianta citar que “não se trata de recomendação de investimento” ou que “são opiniões apenas pessoais”;
- O segundo alerta é que, mesmos os influenciadores que não são enquadrados em uma atividade profissional, podem estar cometendo infrações;
- Cita como exemplo o pessoal que recomenda determinada operação para criar demanda artificial e, assim, manipular preços;
- Para terminar, o terceiro alerta é com o pessoal que sai por aí com uns carrões, iates e coisas caras nas redes sociais e diz que ganhou com operação x ou ação y;
- A nota diz que “ostentar resultados positivos com operações em valores mobiliários que não condizem com a realidade com o intuito de captar investidores para cursos pode caracterizar crime de propaganda enganosa";
- O ministro da Economia, Paulo Guedes, disse que a declaração feita sobre o risco de volta da hiperinflação foi apenas um “alerta” para tentar destravar as privatizações;
- Ele explicou que a urgência em privatizar empresas existe para que o governo tenha dinheiro para reduzir a dívida pública;
- No ano passado, o ministro disse que a privatização das estatais poderia gerar até R$ 1,250 tri aos cofres públicos;
- Ele reconheceu, porém, certa frustração com o tema porque o governo não conseguiu vender nenhuma estatal;
- Apesar da promessa de guedes de derrubar a dívida pública com privatizações em 2021, os números da B3 mostram que vender essas estatais pode ter um resultado mais modesto;
- Se você juntar todas as ações da Eletrobras e vender ao mesmo tempo, teria hoje R$ 55 bilhões;
- Mas o governo não tem 100% das ações e é dono atualmente de 41% do capital da empresa, o que daria cerca de R$ 23 bilhões;
- Um valor seria suficiente para reduzir a dívida pública em cerca de 0,4%;
- Falando na bolsa de valores, investidores estrangeiros aumentaram a posiçõa nas ações brasileiras na B3 em R$ 4,5 bilhões no dia 9 de novembro;
- Essa foi a maior entrada de estrangeiros em apenas um dia na bolsa paulista. No ano, porém, retiraram nada menos que R$ 77 bilhões;
- A Alphaville, a empresa que ficou famosa pelos condomínios nos arredores de metrópoles, decidiu abortar sua entrada na B3 e mencionou a "conjuntura de mercado desfavorável";
- Essa é a segunda vez que a empresa interrompe a oferta aos investidores, mas informou que “permanece monitorando as condições de mercado e avaliando a possibilidade";
- Também desistiram do processo de IPO essa semana a construtora mineira BRZ e a varejista baiana Le Biscuit;
- O Google vai começar a limitar quantas fotos de qualidade padrão poderão ser armazenadas na nuvem;
- A partir de 1º de junho do próximo ano todas essas fotos que eram ilimitadas também vão consumir os 15 gigas que cada usuário tem grátis no Google;
- Segundo a empresa, a demanda crescente por armazenamento na nuvem faz com que o serviço não possa mais honrar a política original;
- Mais de 1 bilhão de pessoas usam o Google Fotos por mês e a companhia estima que menos de 20% desse público precisará comprar espaço extra nos próximos três anos;
- No Brasil, aumentar o armazenamento para 100 gigas no Google One custa R$ 7 por mês;
- AGENDA: IBGE divulga às 9h dados sobre o desempenho do setor de serviços em setembro;
- No exterior, o mercado acompanha dados sobre a produção industrial na europa, e inflação nos Estados Unidos;
- Já na agenda corporativa, Arezzo, B3, Banco Inter, brMalls, CPFL Energia, Natura, Sabesp e Vivara, entre outras, divulgam seus balanços do terceiro trimestre.

Ouça e assine os podcasts da CNN Brasil gratuitamente:

5 Fatos

Abertura de Mercado

E Tem Mais

Horário de Brasília

Na Palma da Mari

O Que Eu Faço?

Todo o conteúdo da grade digital da CNN Brasil é gratuito.