Boeing precisa que a China aprove o 737 Max, mas seus problemas vão além disso

O país foi o primeiro a aterrar o 737 Max no ano passado, depois que dois dos jatos caíram, matando centenas de pessoas

Laura He, do CNN Business, em Hong Kong
24 de novembro de 2020 às 15:18
Executivo da Federal Aviation Administration (FAA) dentro de um jato Boeing 737 MAX
Foto: Mike Siegel - 30/9/2020/Pool via REUTERS

A Boeing está finalmente próxima de colocar seu 737 Max de volta ao ar novamente nos Estados Unidos. Mas a empresa ainda enfrenta desafios no importante mercado de aviação da China, onde os desafios vão muito além dos problemas da aeronave.

A Administração de Aviação Civil da China (CAAC) ainda não disse se permitirá que o 737 Max voe no país depois que a Administração Federal de Aviação (FAA) dos Estados Unidos deu luz verde para o avião transportar passageiros no início desta semana. Embora o governo dos EUA tenha sido um obstáculo importante para a Boeing, a empresa precisará da aprovação de outros reguladores da aviação antes que as companhias aéreas possam operar o avião entre destinos internacionais.

Leia também:
Ânima Educação anuncia oferta de ações; deve precificar em 3 de dezembro
Secretário do Tesouro diz que espaço para extensão de auxílio é muito reduzido

A Agência de Segurança da Aviação da União Europeia, que supervisiona voos na Europa, disse que espera tomar medidas no final de dezembro ou no início de 2021.

Mas a aprovação da China é crítica. O país foi o primeiro a aterrar o 737 Max no ano passado, depois que dois dos jatos caíram, matando centenas de pessoas. O CAAC disse no mês passado que tem seus próprios critérios que a Boeing (BA) precisa cumprir antes que a China fique satisfeita com o avião novamente, incluindo garantias de que as alterações em seu projeto são “seguras e confiáveis”.

“Contanto que atendam aos requisitos, estamos felizes em vê-los retomar os voos”, disse Feng Zhenglin, diretor da CAAC, no mês passado em uma conferência de imprensa em Pequim. “Mas se não, temos que manter um exame rigoroso para garantir a segurança”.

A CAAC não respondeu a um pedido de entrevista do CNN Business.

Mercado vital

A aprovação da China não se refere apenas à permissão de voo do 737 Max no espaço aéreo chinês novamente. Os negócios da Boeing na China foram severamente prejudicados por anos de lutas entre os governos dos EUA e da China sobre comércio, tecnologia e direitos de propriedade intelectual, e voltar aos trilhos será um grande desafio. 

Antes da guerra comercial, a China era um grande mercado para a Boeing. Em 2015 e 2016, as vendas da China representaram 13% e 11% da receita total da empresa, respectivamente, de acordo com seus relatórios anuais. Em 2015, a China foi o maior mercado de exportação da Boeing, e foi o terceiro maior em 2016.

Mas a empresa não vendeu nenhum avião de passageiros para a China nos últimos dois anos por motivos que “todos sabem”, segundo Sherry Carbary, presidente da Boeing China, no final do ano passado, segundo o jornal estatal “Shanghai Observer”. Dois cargueiros foram encomendados pela China Cargo em maio.

Os problemas da empresa na China estão “bem fora do controle da Boeing”, disse Richard Aboulafia, vice-presidente de análise da Teal Group Corporation, uma empresa de consultoria espacial aeroespacial.

“Na China, a Boeing está prisioneira de forças que vão além da mera dinâmica do mercado de aviação”, acrescentou. “Seria impossível para a Boeing não se envolver nesta confusão gigante, envolvendo barreiras comerciais, disputas [de propriedade intelectual] e tarifas”.

As tensões EUA-China também se manifestaram de outras maneiras. O governo chinês disse no mês passado que vai impor sanções às empresas norte-americanas (incluindo a Lockheed Martin (LMT) e Boeing) que estiveram envolvidas na venda de armas para Taiwan.

Mesmo assim, a Boeing está otimista com o mercado chinês. Na semana passada, a empresa emitiu uma perspectiva positiva, dizendo que espera que as vendas de novos aviões em toda a indústria totalizem 8.600 na China nos próximos 20 anos. Essa estimativa, avaliada em US$ 1,4 trilhão, é ainda maior do que antes da pandemia Covid-19 – já que a recuperação econômica da China neste ano ultrapassou o resto do mundo.

“A Boeing continua sendo compelida a aumentar sua presença no mercado de aviação civil da China apenas por razões econômicas e estratégicas”, disse Alex Capri, pesquisador da Fundação Hinrich e pesquisador visitante da Universidade Nacional de Cingapura. “Não fazer isso custará à empresa receita de pesquisa e desenvolvimento e oportunidades futuras de colaboração com parceiros estratégicos.”

Competição doméstica

A Boeing pode enfrentar uma concorrência mais forte enquanto busca voltar aos trilhos na China.

Sua rivalidade com a Airbus se aprofundou, especialmente depois que a Boeing foi atingida pela crise do 737. No ano passado, semanas após a China deixar o Boeing 737 Max, a Airbus anunciou um acordo para vender 300 jatos de passageiros a companhias aéreas chinesas.

A emergente Commercial Aircraft Corporation of China, ou Comac, também está desenvolvendo sua própria aeronave. 

Os jatos da Comac podem atender a alguma demanda da China nos próximos cinco a oito anos, disse Aboulafia, mas analistas concordam que os aviões não têm as qualidades de um competidor global.

“Quanto à Boeing perdendo participação de mercado para a Comac, não há certeza de quando isso poderá acontecer”, afirmou Capri, da Universidade Nacional de Cingapura, acrescentando que a China vem tentando, sem sucesso, construir motores a jato de ponta e outras tecnologias há décadas.

Capri acrescentou que a Boeing também foi capaz de construir uma estratégia sólida na China, isolando seus negócios no país e mantendo algumas de suas propriedades intelectuais mais valiosas e operações em outros lugares. Ele lembrou de uma fábrica de 737 na província chinesa de Zhejiang, onde a empresa realiza tarefas de baixo valor, como instalação de interiores.

“Competir no mercado da China sempre será uma barganha faustiana”, opinou Capri. “Mas as aeronaves civis não são diferentes da situação da indústria automotiva ou de semicondutores”, disse ele.

(Texto traduzido, clique aqui para ler o original em inglês)

Clique aqui para acessar a página do CNN Business no Facebook