Governo Central tem déficit de R$3,5 bi em outubro

Resultado apresenta uma melhora em relação aos últimos meses, em que os prejuízos chegaram à casa dos dois dígitos

Anna Russi, do CNN Brasil Business, em São Paulo
26 de novembro de 2020 às 16:03
Notas de real: Déficit do governo central veio melhor que o esperado pelo mercado
Foto: Marcos Santos / USP Imagens

As contas do Governo Central tiveram um déficit fiscal de R$ 3,563 bilhões em outubro. Esse é o segundo pior resultado para o mês da série histórica, iniciada em 1997, perdendo apenas para outubro de 2015, quando o déficit foi de R$ 13,189 bi. No mesmo mês do ano passado, o resultado foi superavitário em R$ 8,684 bilhões. 

Apesar de negativo, o resultado indica uma melhora na comparação com os rombos recordes dos meses anteriores, que também tiveram déficits mais expressivos. Em agosto e setembro, por exemplo, os buracos fiscais foram de R$ 96,09 e R$ 76,2 bilhões, respectivamente.

Leia também: 
Secretário do Tesouro diz que espaço para extensão de auxílio é muito reduzido
Nada que desrespeite o teto de gastos será votado, diz Maia sobre o Renda Brasil

Além disso, o valor também veio melhor do que o previsto pela pesquisa Prisma Fiscal do Ministério da Economia, que indicava um déficit de R$ 44,1 bilhões. 

O dado foi divulgado pela Secretaria do Tesouro Nacional (STN) nesta terça-feira (29). O resultado primário do Governo Central inclui as contas do Tesouro Nacional, do Banco Central e da Previdência Social, excluídas as despesas com juros. 

De acordo com a equipe econômica, apesar de ainda sofrer com o aumento das despesas de medidas em combate à pandemia, o resultado de outubro foi amenizado pelo recolhimento de parte das receitas diferidas no início da pandemia resultou em impacto positivo no fluxo de receitas.

"A receita total do mês de outubro de 2020 cresceu 9,6% em termos reais quando comparada ao mesmo mês de 2019, influenciada majoritariamente pelo crescimento das receitas administradas (+14,8%) e da arrecadação líquida para o RGPS (+17,6%), em termos reais", informou. 

Acumulado no ano 

De janeiro a outubro, o buraco fiscal nas contas do Governo Central já soma R$ 680,974 bilhões. Mais de dez vezes pior ao registrado no mesmo período do ano passado, quando o déficit estava em R$ 63,854, esse também é o pior valor da da série histórica, iniciada em 1997, referente aos dez primeiros meses.

No acumulado até outubro, a Previdência Social registrou déficit de R$ 257,1 bilhões. O Tesouro Nacional e o Banco Central apresentaram, juntos, déficit de R$ 436,4 bilhões. "A reversão dos superávits do Tesouro Nacional e Banco Central e o aprofundamento do déficit da previdência associam-se à crise COVID-19", destacou a pasta. 

A expectativa da equipe econômica é de que o déficit primário do Governo Central termine o ano de 2020 em um total de R$ 844,3 bilhões, valor equivalente a cerca de 11,7% do PIB.