Proprietária chinesa terá mais uma semana para vender ativos do TikTok nos EUA

Governo Trump prorrogou prazo para a ByteDance, proprietária chinesa do TikTok, conclua proposta de aquisição do aplicativo nos Estados Unidos

Por Rishi Iyengar, CNN Business
27 de novembro de 2020 às 01:04

Nesta quarta-feira (26), o governo Trump deu à  proprietária chinesa do aplicativo, a ByteDance, até 4 de dezembro para concluir uma proposta de aquisição pela Oracle e Walmart

Foto: Florence Lo/Reuters


O prazo dos responsáveis pelo TikTok para finalizar a busca por um comprador nos Estados Unidos foi prorrogado pela segunda vez em menos de um mês.

Nesta quarta-feira (26), o governo Trump deu à  proprietária chinesa do aplicativo, a ByteDance, até 4 de dezembro para concluir uma proposta de aquisição pela Oracle e Walmart, de acordo com um porta-voz do Departamento do Tesouro.

"O Comitê de Investimento Estrangeiro nos Estados Unidos (CFIUS) concedeu à ByteDance uma extensão de uma semana para permitir que tenham tempo para revisar uma submissão que o Comitê recebeu recentemente", disse o porta-voz.

Leia também:
TikTok dá aos pais mais controle sobre o que filhos podem ver e postar

Ameaçado pelo TikTok, Instagram anuncia mudanças no aplicativo

Em uma ordem executiva recente, Trump definiu 12 de novembro como o prazo final para a ByteDance se desfazer da TikTok, que tem mais de 100 milhões de usuários nos Estados Unidos. Mas, conforme o prazo ia e vinha, ficava incerto quais consequências poderiam impactar o TikTok.

A ordem executiva de Trump não dizia que o aplicativo seria banido se perdesse o prazo; na verdade, não descreve nenhuma consequência.

No início deste mês, o governo dos Estados Unidos estendeu discretamente esse prazo por duas semanas até esta sexta-feira, 27 de novembro, e agora colocou a data ainda mais longe.

O TikTok não respondeu imediatamente a um pedido de comentário.

Trump classificou o TikTok como um perigo para a segurança nacional - uma afirmação que a empresa negou e que os especialistas em segurança cibernética duvidam. O presidente americano emitiu outra ordem executiva em agosto que tornaria ilegal qualquer negociação comercial com a empresa.

O Departamento de Comércio dos EUA tentou fazer cumprir essa ordem ao tentar proibir os downloads do aplicativo em setembro. A agência também disse que, em meados de novembro, as empresas de internet serão proibidas de transportar o tráfego do TikTok.

Ambas as medidas foram temporariamente bloqueadas por juízes federais depois que os criadores de conteúdo do TikTok e a própria companhia entraram com processos em casos separados para impedir que entrassem em vigor.

A solução proposta pela ByteDance para o pedido, o negócio com o Walmart e a Oracle, faria com que o TikTok fosse reorganizada como uma nova empresa global com sede nos Estados Unidos, com investidores americanos respondendo pela maioria da propriedade da nova empresa.

Trump aprovou provisoriamente esse negócio em setembro, quando ele foi anunciado. Mas o acordo ainda não foi finalizado pelo governo dos EUA. A situação também precisaria de luz verde dos reguladores chineses.

Por enquanto, até a próxima sexta-feira, os usuários do TikTok ainda poderão acessar o aplicativo enquanto o banimento da administração Trump permanece suspenso devido a litígios.

* Vivian Salama, Sherisse Pham e Brian Fung da CNN também contribuíram para esta reportagem