Fed mantém juros parados e deve seguir comprando títulos do governo

A economia americana, segundo o Fed, segue se recuperando, mas permanece em patamar bem abaixo dos níveis do começo do ano

Do Estadão Conteúdo
16 de dezembro de 2020 às 17:39 | Atualizado 16 de dezembro de 2020 às 17:39
Foto: Reuters/Leah Millis

Os integrantes do Comitê Federal de Mercado Aberto (Fomc, na sigla em inglês) do Federal Reserve (Fed, o banco central americano) decidiram nesta quarta-feira (16) manter a taxa dos Fed funds na faixa entre 0% e 0,25% ao ano, conforme esperado por especialistas.

A decisão foi unânime.

O Fed também decidiu manter a taxa de desconto em 0,25% e a taxa de juros sobre excesso de reservas (IOER, na sigla em inglês) em 0,10%.

Leia também:
Congresso aprova Lei de Diretrizes Orçamentárias para 2021
Maia diz que tentará votar texto do governo da reforma tributária semana que vem

A economia americana, segundo o Fed, segue se recuperando, mas permanece em patamar bem abaixo dos níveis do começo do ano. O nível da economia, diz o comunicado, depende "significativamente" do curso do vírus.

A autoridade norte-americana ainda disse que irá aumentar a compra de títulos do Tesouro dos Estados Unidos em ao menos US$ 80 bilhões por mês e a aquisição de títulos hipotecários em pelo menos US$ 40 bilhões "até que progressos substanciais ocorram no sentido de garantir as metas de pleno emprego e estabilidade de preços".

Projeções

Conforme projeções divulgadas pelo Fed, os juros nos Estados Unidos devem permanecer na faixa atual de 0% a 0,25% ao menos até 2023.

Todos os 17 dirigentes do Fed veem a taxa dos Fed Funds na faixa atual, entre 0% e 0,25%, em 2020 e 2021. Para 2022, 16 dirigentes veem os juros na mesma faixa, entre 0% e 0,25%, e apenas um dirigente vê as taxas na faixa entre 0,25% e 0,5%.

Dos 17 dirigentes, 12 veem os juros na faixa atual, entre 0% e 0 25%, em 2023, enquanto três veem taxas entre 0,25% e 0,50%; um vê os juros na faixa entre 0,50% e 0,75%; e outro vê as taxas entre 1,00% e 1,25%.

No longo prazo, oito dirigentes veem as taxas em 2,50%; três veem os juros em 2,25%; dois em 3,0%; um entre 2,25% e 2,50%; um em 2,75%; e outro em 2,00%.

Clique aqui para acessar a página do CNN Business no Facebook