Fed tem desafio de equilibrar impacto de vacinas diante de questões econômicas

A conclusão da última reunião de política do monetária do Fed de 2020, nesta quarta (16), vai encerrar um ano tumultuado

Da Reuters
16 de dezembro de 2020 às 08:43
Foto: Reuters/Leah Millis

O Federal Reserve vai oferecer nesta quarta-feira (16) seu primeiro vislumbre de como a vacina contra o coronavírus mudou o cenário econômico dos Estados Unidos, e se empresas, trabalhadores e famílias precisam de mais ajuda do banco central até que a vacinação e a imunidade estejam difundidas.

A conclusão da última reunião de política do monetária do Fed de 2020 vai encerrar um ano tumultuado em que cortou a taxa de juros, aumentou as compras de títulos e adotou outras medidas extraordinárias para conter os danos econômicos da pandemia.

Leia também:
Maioria dos novos investidores da Bolsa é jovem, diz estudo da B3
Já é possível investir em água, assim como o petróleo e a soja, em Wall Street

O cenário, no entanto, mudou dramaticamente desde que as autoridades do Fed realizaram seu último encontro no início de novembro, com a adoção de uma vacina contra a Covid-19 e outra a caminho devendo impulsionar as perspectivas para 2021.

Nas projeções econômicas trimestrais divulgadas em setembro, as autoridades do Fed viam crescimento da economia de 4% no ano que vem e a taxa de desemprego caindo a 5,5%. Analistas esperam que ambos os números sejam melhorados.

Mas não está tão claro o que o Fed decidirá fazer nesse meio tempo, incluindo se irá focar suas compras mensais de ativos de US$ 120 bilhões de maneira que reduzam ainda mais os juros de longo prazo, o que pode ajudar setores como o imobiliário.

O coronavírus está se espalhando rapidamente a um ritmo de mais de 200 mil novas infecções diariamente em todo o país, as empresas enfrentam os desafios duplos de novas restrições e consumidores mais temerosos, e o crescimento do emprego está desacelerando --todas razões para o Fed agir.

Por outro lado, "a promessa de vacinas e a possibilidade de mais suporte fiscal...podem inclinar o Fed a esperar para ver", escreveu o analista da Cornerstone Macro Roberto Perli.

Parlamentares do Congresso estão travados em negociações sobre outro pacote de estímulo fiscal para ajudar empresas e famílias, mas um acordo tem sido difícil.

O Fed divulgará seu comunicado de política monetária e projeções econômicas às 16h (horário de Brasília). O chair Jerome Powell dará entrevista à imprensa meia hora depois.

Analistas esperam que Powell e seus colegas forneçam orientação sobre um importante aspecto da política monetária: por quanto tempo mais o Fed pode continuar e sob quais condições pode reduzir suas compras mensais de títulos do governo, um fluxo de suporte aos mercados financeiros com o objetivo de reduzir os custos de empréstimos para consumidores e empresas.

A taxa de juros básica do banco central permanece perto de zero desde março, portanto as compras de títulos são agora a ferramenta mais à mão para influenciar a economia.

Clique aqui para acessar a página do CNN Business no Facebook