Previdência privada: última chance do ano para conseguir desconto com Leão

Os investidores que aportam recursos em PGBL podem abater até 12% da renda bruta anual das despesas declaradas

CNN Brasil Business
16 de dezembro de 2020 às 08:21 | Atualizado 16 de dezembro de 2020 às 08:34
Podcast O Que Eu Faço, com Santander
Foto: CNN Brasil


Em dezembro, é hora de revisitar a planilha de investimentos para checar se o valor aportado em previdência privada equivale a 12% da renda bruta para obter benefício fiscal no ano seguinte. Se você leu a frase e ficou se perguntando do que estamos falando, calma. Vamos por partes. 

Existe um tipo de fundo chamado Plano Gerador de Benefício Livre (PGBL) que oferece um benefício fiscal (em outras palavras: desconto) para os investidores, desde que eles entreguem a declaração completa – não a simplificada – para a Receita.

Leia também:
Vale, Magalu: 10 ações recomendadas por corretoras para investir em dezembro
Ações mais baratas? B3 reduzirá taxas para investimentos a partir de fevereiro

Na prática, funciona assim: os investidores que aportam recursos em PGBL podem abater até 12% da renda bruta anual das despesas declaradas. Logo, o indicado é aplicar esses 12% nesses fundos de previdência.

Veja também:
Ouça todos os episódios do podcast 'O que eu faço?'

“Dezembro é o último mês que o governo e a Receita permitem que o investidor faça esses investimentos a fim de abater as despesas do IR em março de 2021”, explica Flaviano Gonçalves, especialista de Previdência do Santander Brasil, ao podcast O que eu faço?.

Na ponta do lápis, se o investidor tem uma renda bruta anual de R$ 100 mil e ele investiu 12% desse total em PGBL (ou seja, R$ 12 mil), para a Receita ele vai declarar que a base de cálculo dele será de R$ 88 mil. Faz diferença. “É uma economia fiscal muito vantajosa”, diz Gonçalves.

 

Clique aqui para acessar a página do CNN Business no Facebook