Projeção do BC para o PIB em 2020 passa de queda de 5% para recuo de 4,4%

Para o ano que vem, a previsão do BC permaneceu praticamente estável, passando de uma alta de 3,9% para 3,8%

Anna Russi, do CNN Brasil Business, em Brasília
17 de dezembro de 2020 às 08:21 | Atualizado 17 de dezembro de 2020 às 08:54
Montadora
Foto: Nacho Doce/Reuters


O Banco Central revisou a projeção oficial para o desempenho da atividade econômica de 2020. Com o resultado positivo no terceiro trimestre do ano, a estimativa do BC para o Produto Interno Bruto (PIB) passou de queda de 5% para recuo de 4,4%. Para o ano que vem, a previsão do BC permaneceu praticamente estável, passando de uma alta de 3,9% para 3,8%.

A atualização está no Relatório Trimestral de Inflação, publicado nesta quinta-feira (17).

Leia também:
Governo prevê salário mínimo de R$ 1.088, mas valor pode ter que ser maior
Fitch: comércio global de bens e serviços se recupera e deve recuar 9,6% em 2020

"A revisão da série histórica do PIB, que produziu elevação das variações interanuais nos dois primeiros trimestres de 2020, aliada ao desempenho no terceiro trimestre ligeiramente melhor do que o antecipado, na mesma métrica, contribuíram para a elevação da estimativa de variação anual", informa o documento. 

Além disso, para o BC, alguns indicadores econômicos mensais sinalizam a continuidade da recuperação da atividade econômica no quarto trimestre "em ritmo mais alto que o previamente antevisto". 

A nova previsão se iguala às atuais expectativas do mercado financeiro que, de acordo com a última edição do Boletim Focus, também esperam queda de 4,41%. O valor também se aproxima da projeção do Ministério da Economia que vê contração de 4,5% em 2020. 

Para 2021, no entanto, o BC está mais otimista que ambos. Enquanto o mercado financeiro prevê crescimento de 3,5% para a atividade econômica ano que vem, o Ministério da Economia espera alta de 3,2%. 

Segundo o BC, a perspectiva de crescimento de 3,8% no ano que vem reflete uma antecipação da recuperação econômica esperada, pelo menos em alguns setores e componentes no lado da demanda, para 2020. "Por outro lado, o menor crescimento trimestral também é consequência da recuperação mais lenta do mercado de trabalho e dos índices de mobilidade", pondera. 

Inflação 

O BC também revisou a estimativa para a inflação de 2020, medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA). Agora, a autoridade monetária já vê a inflação terminar o ano em 4,3%, ante 2,1% esperado em setembro.

Atualmente, o mercado financeiro espera um valor próximo, de 4,35%, para a inflação deste ano. Ambas as previsões estão dentro da margem da meta de 2020, que tem o centro em 4,00%, com tolerância de 1,5 ponto porcentual, ou seja, podendo variar de 2,50% a 5,50%. A principal ferramenta do BC para perseguir a meta é a taxa básica de juros, a Selic.

Até o relatório passado, havia um risco de a inflação deste ano ficar abaixo da meta, no entanto, segundo o BC, a pressão inflacionária recente elimina a possibilidade de a inflação ultrapassar o limite inferior em 2020.  

Entre os principais fatores que levaram a uma revisão da projeção, estão os resultados do IPCA em meses recentes maiores do que o esperado; a revisão das projeções de curto prazo, refletindo as pressões correntes; a elevação dos preços de commodities; o crescimento das expectativas de inflação da pesquisa Focus; e a revisão para cima da projeção de itens de preços administrados.

Para 2021 e 2022, o Banco Central projetou, respectivamente, inflações de 3,4%. Em setembro, a previsão para o ano que vem estava em 2,9% e para 2022 em 3,3%. As estimativas consideram a trajetória estimada pelo mercado financeiro para a taxa de juros e de câmbio neste ano e no próximo.

Clique aqui para acessar a página do CNN Business no Facebook