Ásia: bolsas fecham mistas, de olho em nova variante da Covid e pacote dos EUA

A situação da Covid-19 em partes da Ásia, como no Japão e na Coreia do Sul, também gera preocupações

Sergio Caldas, do Estadão Conteúdo
21 de dezembro de 2020 às 07:49 | Atualizado 21 de dezembro de 2020 às 19:34

 

As bolsas da Ásia e do Pacífico fecharam sem direção única nesta segunda-feira (21) à medida que investidores acompanham os últimos desdobramentos da Covid-19, em especial no Reino Unido, onde surgiu uma agressiva variante do vírus, e reagem ao fechamento de um acordo nos EUA para mais uma rodada bilionária de incentivos fiscais.

O índice acionário japonês Nikkei caiu 0,18% em Tóquio hoje, a 26.714,42 pontos, pressionado pelo fraco desempenho de ações de montadoras e do setor imobiliário, e o Hang Seng recuou 0,72% em Hong Kong, a 26.306,68 pontos, mas o sul-coreano Kospi subiu 0,23% em Seul, a 2.778,65 pontos, e o Taiex registrou alta de 0,95% em Taiwan, a 14.384,96 pontos.

Leia também:
Após meses de negociações, EUA chegam a acordo sobre estímulo de US$ 900 bilhões
Réveillon em NY: Airbnb terá hospedagem em domo de vidro no alto da Times Square

 

Na China, o dia foi de ganhos, ainda que o banco central local - o PBoC - tenha deixado seus juros de referência inalterados pelo oitavo mês seguido. O Xangai Composto avançou 0,76%, a 3.420,57 pontos, e o menos abrangente Shenzhen Composto se valorizou 1,87%, a 2.304,98 pontos

Na Oceania, a bolsa australiana terminou o pregão em baixa marginal de 0,08%, com o índice S&P/ASX 200 a 6.669,90 pontos.

O apetite por risco na Ásia foi limitado pelo surgimento de uma agressiva variante do coronavírus que se espalha rapidamente no Reino Unido e levou vários países europeus a suspenderem voos de aeroportos britânicos. A situação da Covid-19 em partes da Ásia, como no Japão e na Coreia do Sul, também gera preocupações.

Por outro lado, o Congresso dos EUA fechou ontem um acordo bipartidário para o lançamento de um novo pacote fiscal, no valor de US$ 900 bilhões, em reação aos efeitos da pandemia na economia americana.

O acordo deve ser votado hoje pela Câmara dos Representantes, após meses de impasse entre democratas e republicanos. Com o acerto de última hora, a Casa teve de aprovar ontem um projeto de lei provisório de gastos de um dia para evitar uma paralisação do governo em Washington a partir do primeiro minuto desta segunda.