Tesco e Pizza Hut são expostos no Reino Unido por não pagar salário mínimo

Um total de 139 empresas deixaram de pagar £ 6,7 milhões (R$ 47,6 milhões) a milhares de trabalhadores, disse o governo na quinta-feira (31)

Rob Picheta, do CNN Bussines, em Londres
03 de janeiro de 2021 às 05:00
Tesco
Foto: Simone Hutsch / Unsplash


A maior rede de supermercados da Grã-Bretanha, Tesco, pagava mal a quase 80 mil de seus trabalhadores, revelou o governo do Reino Unido, ao “dar nome e causar vergonha” a dezenas de empresas por não pagar o salário mínimo.

Um total de 139 empresas deixaram de pagar £ 6,7 milhões (R$ 47,6 milhões) a milhares de trabalhadores, disse o governo na quinta-feira (31). Os casos foram investigados entre 2016 e 2018.

O salário mínimo atual no Reino Unido é £ 8,72 (R$ 61,2) para trabalhadores com 25 anos ou mais. A Tesco (TSCDF), que tem mais de 3.700 lojas no Reino Unido e na Irlanda e quase 7.000 lojas em todo o mundo, foi de longe a maior infratora. A varejista não pagou o salário mínimo a 78.199 trabalhadores, segundo a lista, devendo a eles mais de £ 5 milhões (R$ 35,5 milhões).

Leia também:
Salário mínimo sobe para R$ 1.100 a partir de hoje, em 2º ano sem ganho real
Covid-19 sacudiu economia global em 2020
Retrospectiva: O que 2020 ensinou sobre diversidade às empresas

A rede de supermercados se disse “extremamente decepcionada e surpresa por ter sido incluída nesta lista”, afirmando que identificou o não pagamento do salário mínimo em 2017 e informou o governo na época.

“Em 2017, identificamos um problema técnico que significava que o pagamento de alguns colegas inadvertidamente caía abaixo do salário mínimo nacional. Lamentamos muito que isso tenha acontecido e relatamos o problema de forma proativa”, disse a Tesco em um comunicado enviado à CNN Business.

“Todos os nossos colegas foram reembolsados integralmente e mudamos imediatamente nossas políticas para evitar que isso aconteça novamente. Na maioria dos casos, o reembolso foi de £ 10 (R$ 71) ou menos”, acrescentou.

A Pizza Hut foi identificada por não pagar quase £ 846 mil a 10.980 trabalhadores. A CNN Business em Londres entrou em contato com a rede de fast food para comentar, mas não obteve resposta.

A Superdrug, uma das maiores empresas farmacêuticas da Grã-Bretanha, também foi incluída na lista, acusada de deixar de pagar a 2.222 trabalhadores mais de £ 15.000 (R$ 106,7 mil) por ano.

A Superdrug disse em um comunicado à CNN Business que o erro ocorreu em 2018. “Assim que fomos notificados, reembolsamos prontamente os funcionários atuais e os que saíram, trabalhando com a HMRC [Receita e alfândega de Sua Majestade] para garantir que eles fossem totalmente compensados", respondeu a Superdrug, acrescentando que sua política mudou desde então.

“Pagar o salário mínimo não é opcional, é a lei”, disse o ministro de Negócios do Reino Unido, Paul Scully, em um comunicado. “Nunca é aceitável para qualquer empregador substituir seus funcionários, mas é especialmente decepcionante ver grandes nomes conhecidos que não deveriam estar nessa lista”.

(Texto traduzido, clique aqui para ler o original em inglês).