Brasil deveria ter investido em picapes e SUVs, diz consultor sobre a Ford

Montadora Ford anunciou nesta segunda-feira (11) que vai encerrar a produção de carros no Brasil

da CNN, em São Paulo
11 de janeiro de 2021 às 18:26 | Atualizado 11 de janeiro de 2021 às 19:38


 
Em entrevista à CNN nesta segunda-feira (11), o consultor do setor automotivo, Paulo Roberto Garbossa, falou sobre a decisão da Ford em encerrar a produção de carros no Brasil, e afirmou que o país deveria ter focado em picapes e SUVs para que isso não acontecesse.

"A globalização vem já há muito tempo. As empresas estão buscando onde há maior sinergia para se fazer uma produção para atender todo mercado mundial”, disse. 

“A Ford já tinha dito há algum tempo que ia parar com a fabricação de veículos de passeio e ia focar em picapes e SUVs. Isso deveria ter sido feito há muito tempo para trazer o Brasil para um novo patamar de produção.”

Assista e leia também:

Ford anuncia fim da produção de carros no Brasil e fechamento de três fábricas

Estoque de carros nas fábricas e concessionárias é o menor da história

As operações da montadora estão mantidas na Argentina e no Uruguai. “Hoje, a Argentina é um polo produtor de picapes e SUVs. Por isso que vai continuar mantendo a produção no país”, avaliou.

Garbossa diz ser preciso pensar em estratégias para que o Brasil. “Somos o país o maior da América Latina e teríamos condições de produzir não só para a América Latina, mas para o mundo inteiro”, afirmou.

Serão fechadas as fábricas da Ford em Taubaté (SP), que produz motores, Camaçari (BA), onde produz os modelos EcoSport e Ka, e em Horizonte (CE), onde são montados os jipes da marca Troller. 

A empresa informou que vai manter seu centro de desenvolvimento de produtos, na Bahia, o campo de testes, em Tatuí (SP), e a sede administrativa, em São Paulo.

Cerca de 5.000 funcionários devem ser afetados na América do Sul, estima a companhia. De acordo com o Sindicato dos Metalúrgicos de Camaçari (BA), aproximadamente 10 mil trabalhadores serão atingidos só no local.

Linha de produção da Ford
Foto: WERTHER SANTANA/Estadão Conteúdo


 (Publicado por Sinara Peixoto)