Justiça prorroga auxílios financeiros por desastre da Samarco até final do ano

Auxílio é pago por Fundação criada pela Vale e BHP às pessoas afetadas pelo rompimento de uma barragem em Mariana (MG) em 2015

Gabriel Araujo, da Reuters
19 de janeiro de 2021 às 21:08
Distrito de Bento Rodrigues, em Mariana (MG), após rompimento de barragem da Samarco
Foto: Rogério Alves - 19.nov.2015/TV Senado

A Justiça Federal prorrogou até o final de 2021 o auxílio financeiro emergencial pago pela Fundação Renova às pessoas afetadas pelo rompimento de uma barragem de rejeitos da Samarco em Mariana (MG), em 2015, informou o Ministério Público Federal (MPF) nesta terça-feira.

Conforme a decisão da 12ª Vara Federal de Belo Horizonte, a extensão do auxílio está ligada aos efeitos da pandemia de Covid-19, mas o pagamento terá uma redução de 50% a partir de janeiro.

"O pagamento do AFE (auxílio) deve ser mantido e alongado durante todo o ano de 2021, período em que se espera a universalização da vacina, o fim da pandemia e a implementação do sistema indenizatório simplificado em toda a bacia", apontou a decisão.

Ocorrido em novembro de 2015, o colapso da barragem da Samarco, joint venture formada por Vale e BHP, deixou 19 mortos e atingiu o rio Doce, no que foi considerado o maior desastre ambiental da história do Brasil.

A Fundação Renova é a instituição independente criada, mediante assinaturas da Vale e BHP, para conduzir os trabalhos de reparação relacionados ao desastre.