Indicada por Biden para Secretaria de Comércio defende supervisionar big techs

No que se refere às empresas de mídia social, elas precisam ser responsabilizadas pelo que colocam em sua plataforma", disse a indicada do presidente Joe Biden

Por Iander Porcella, do Estadão Conteúdo
26 de janeiro de 2021 às 18:43
Foto: StockSnap/Pixabay

Indicada para o cargo de secretária de Comércio dos Estados Unidos, Gina Raimondo defendeu nesta terça-feira, (26) a supervisão de práticas anticompetitivas das grandes empresas de tecnologia.

Durante uma sabatina no Comitê de Comércio do Senado, a governadora de Rhode Island também afirmou que concorda com a necessidade de aumentar o salário mínimo no país.

"Eu acredito na competição e inovação. E, no que se refere às empresas de mídia social, elas precisam ser responsabilizadas pelo que colocam em sua plataforma", disse a indicada do presidente Joe Biden ao ser questionada pelos parlamentares sobre o "poder" das big techs.

No mesmo dia em que legisladores democratas apresentaram uma proposta para elevar o salário mínimo de US$ 7,25 a US$ 15 por hora até 2025, Raimondo também apoiou a proposta.

Ela ressaltou que promoveu "vários" aumentos do salário mínimo durante seu mandato como governadora. "Não vimos nenhum impacto sobre o desemprego", frisou.

Durante a sessão, Raimondo também defendeu uma postura "agressiva" contra supostas práticas comerciais "desleais" da China, afirmou que a pandemia de covid-19 exacerbou as desigualdades do país e prometeu tratar o combate à mudança climática como prioridade.

Com a sabatina encerrada, os senadores podem votar se aprovam ou não a nomeação de Gina Raimondo ainda esta semana.