Puxado por commodities e combustíveis, IGP-M tem alta de 2,58% em janeiro

Já o Índice de Preços ao Consumidor (IPC) variou 0,41% em janeiro, ante 1,21% em dezembro

Natália Flach, do CNN Brasil Business, em São Paulo
28 de janeiro de 2021 às 08:29 | Atualizado 28 de janeiro de 2021 às 08:38
Frentista abastece veículo
Foto: REUTERS/Marco Bello

O Índice Geral de Preços – Mercado (IGP-M) subiu 2,58% em janeiro, percentual superior ao apurado em dezembro, quando havia apresentado taxa de 0,96%, de acordo com dados divulgados pela Fundação Getúlio Vargas, nesta quinta-feira (28). Em 12 meses, o índice acumula alta de 25,71%. Para efeito de comparação, em janeiro de 2020, o índice havia subido 0,48% e acumulava alta de 7,81% em 12 meses.

Entre outros motivos, estão o aumento nos preços de commodities e de combustíveis. "A variação apresentada pelo minério de ferro (4,34% para 22,87%) foi a maior influência positiva do índice ao produtor, que registrou alta de 3,38%, a maior taxa de variação desde novembro de 2020, quando havia subido 4,26%”, afirma André Braz, coordenador dos índices de preços, em nota.

O especialista se refere ao Índice de Preços ao Produtor Amplo (IPA) que subiu 3,38% em janeiro, ante alta de 0,90% em dezembro.

 

Já o Índice de Preços ao Consumidor (IPC) variou 0,41% em janeiro, ante 1,21% em dezembro. Essa diminuição no ritmo de alta se deu principalmente por causa do grupo Habitação (que passou de 2,11% em dezembro para os atuais 0,04%). Nesta classe de despesa, vale citar o comportamento do item tarifa de eletricidade residencial, cuja taxa passou de 8,59% em dezembro para -1,06% em janeiro.

Também apresentaram decréscimo os grupos Educação, Leitura e Recreação (de 2,63% para -1,74%), Alimentação (de 1,72% para 1,52%) e Comunicação (de 0,10% para -0,05%). Nestas classes de despesa, vale mencionar os seguintes itens: passagem ae´rea (de 14,62% para -23,88%), carnes bovinas (de 3,77% para 1,19%) e mensalidade para TV por assinatura (de 0,86% para -0,31%).

Em contrapartida, os seguintes grupos registraram alta: Saúde e Cuidados Pessoais (de 0,06% para 0,54%), Vestuário (de -0,17% para 0,69%), Despesas Diversas (de 0,28% para 0,31%) e Transportes (de 0,71% para 0,73%). Nestas classes de despesa, destacam-se os seguintes itens: artigos de higiene e cuidado pessoal (de -0,18% para 1,02%), roupas (de -0,36% para 0,81%), serviços bancários (de 0,13% para 0,30%) e gasolina (de 1,26% para 1,76%).

Por sua vez, o Índice Nacional de Custo da Construção (INCC) subiu 0,93% em janeiro, ante 0,88% no mês anterior. Os três grupos componentes do INCC registraram as seguintes variações na passagem de dezembro para janeiro: Materiais e Equipamentos (de 2,08% para 1,43%), Serviços (de 0,38% para 0,48%) e Mão de Obra (de 0,06% para 0,61%).