Experian diz que investiga se está envolvida em escândalo de vazamento de dados

Os dados foram encontrados ilegalmente para venda online e podem estar relacionados a vazamento de sua subsidiária no Brasil, a Serasa

da Reuters
08 de fevereiro de 2021 às 12:24
Golpes no WhatsApp: verificação em duas etapas pode prevenir que criminosos roubem dados de usuários
Foto: CNN Brasil (3.fev.2021)

A empresa de dados de crédito Experian disse nesta segunda-feira (8) que continua investigando se os dados pessoais de milhões de pessoas no Brasil que foram encontrados ilegalmente para venda online podem estar relacionados a vazamento de sua subsidiária no Brasil, a Serasa.

A Experian, listada no Reino Unido, o maior grupo de dados de crédito do mundo, disse que até agora descobriu que os dados oferecidos para venda incluem fotos, detalhes de previdência social, registros de veículos e dados de login de mídia social, que a Serasa não coleta ou mantém.

"Apesar de exaustivas investigações até o momento, não háevidências de que nossos sistemas de tecnologia foram comprometidos", disse a empresa.

Notícias locais no Brasil disseram que pesquisadores de segurança cibernética descobriram em janeiro que os dados pessoais de mais de 200 milhões de pessoas podem ter sido vazados e colocados à venda online, mas não está claro de onde os dados vieram.

A Experian disse não haver evidências de que dados de crédito positivos ou negativos tenham sido obtidos ilegalmente da Serasa. A Equifax, rival da Experian nos Estados Unidos, anunciou em 2019 o maior acordo em processo relacionado a vazamento de dados.

A empresa aceitou pagar até 700 milhões de dólares para encerrar investigações sobre violação maciça de dados em 2017 de clientes nos EUA, Reino Unido e Canadá e para reembolsar consumidores prejudicados.