Marca Aunt Jemima muda de nome nos EUA após acusações de racismo

A marca Aunt Jemima é muito criticado como uma caricatura racista de uma mulher negra vestida como as antigas criadas das tradicionais famílias norte-americanas

Chauncey Alcorn, do CNN Business, em Nova York
10 de fevereiro de 2021 às 16:51 | Atualizado 10 de fevereiro de 2021 às 19:05
Pearl Milling Company
Foto: Divulgação/Pepsico

 A Quaker Oats está lançando um novo nome e logotipo para seus produtos "Aunt Jemima" (Tia Jemima), finalmente aposentando o estereótipo racista que acompanhou suas misturas e caldas para panquecas por décadas.

A marca "Aunt Jemima", há muito criticado como uma caricatura racista de uma mulher negra vestida como as antigas criadas das tradicionais famílias norte-americanas na época, será substituída pelo nome e logotipo da Pearl Milling Company na nova embalagem da marca anterior, de acordo com a PepsiCo, controladora da marca. 

"Estamos começando um novo dia com a Pearl Milling Company", disse um porta-voz da PepsiCo. “Um novo dia enraizado no início histórico da marca e na sua missão de criar momentos importantes à mesa do café da manhã”.

Os advogados da PepsiCo compraram o nome da marca e as marcas registradas da Pearl Milling Company em 1º de fevereiro. O advogado de marcas registradas, Josh Gerben, do escritório Gerben Perrott, identificou o pedido na segunda-feira (8) de manhã.

A nova marca deve ser lançada em junho, um ano após a companhia anunciar a mudança. Tia Jemima era uma das muitas marcas de alimentos – assim como a Uncle Ben’s, Cream of Wheat and Mrs. Butterwoth’s – a anunciar mudanças à medida que protestos contra o racismo estrutural estouraram nos Estados Unidos no ano passado.