Abrasel-SP diz que apoia lockdown, mas vê 'situação pavorosa' para o comércio

Associação dos Bares e Restaurantes em SP diz que, se fechamento durar três ou quatro meses, poucos estabelecimentos vão resistir

Produzido por Layane Serrano, da CNN em São Paulo
04 de março de 2021 às 16:08 | Atualizado 04 de março de 2021 às 16:41

A Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel) espera que as medidas restritivas da fase vermelha do Plano São Paulo que entram em vigor neste sábado (6) sejam cumpridas, para que o comércio volte a funcionar o mais breve possível.

No entanto, em entrevista à CNN nesta quinta-feira (4), o presidente do conselho estadual da instituição, Percival Maricato, afirma que os estabelecimentos não devem aguentar muito tempo com as portas fechadas.

"Vivemos a tempestade perfeita dentro da pandemia perfeita, porque todo mundo se endividou muito ano passado achando que nesse começo de ano ia começar a faturar e pagar as dívidas, e o lockdown vem com mais força ainda. Vamos apoiar o lockdown, mas vamos cobrar rigorosamente que o governo reprima as aglomerações, que estão causando essa pandemia", disse.

 

"Devemos levar seriamente esse lockdown para ver se a gente sai daqui a duas semanas. Se não, não vai sobrar nada do comércio. A situação para nós é pavorosa. As empresas têm que manter os funcionários, mas como se não conseguem pagar mais nem água, energia, aluguéis? Se isso continuar dessa forma mais três ou 4 meses, não sobra 20% ou 30% desses estabelecimentos que nós tínhamos", calcula.

Estabelecimento fechado em São Paulo
Foto: Alexandre Schneider/Getty Images