Guedes defende vacinação em farmácias e diz que normalidade volta em até 6 meses

Ministro aposta na imunização dos brasileiros para reduzir o desemprego e para a retomada da atividade econômica

Anna Russi, do CNN Brasil Business, em Brasília
12 de março de 2021 às 21:35
Paulo Guedes, ministro da Economia
Paulo Guedes, ministro da Economia
Foto: Marcelo Camargo / Agência Brasil

 

Caso o governo consiga avançar na vacinação contra a Covid-19, o ministro da Economia, Paulo Guedes, acredita que o país pode "voltar à normalidade" em cinco ou seis meses. Isso porque ele aposta na imunização dos brasileiros para reduzir o desemprego e para a retomada da atividade econômica. 

"A prioridade incontornável é a vacinação em massa. [...] Temos que criar essa imunização do povo brasileiro para garantir que a economia informal volte", afirmou em entrevista ao site Jota, nesta sexta-feira (12). 

 

"Depois, esse desemprego em massa, que é informal, vai recuando e o Brasil vai voltando à normalidade. Acho que temos aí cinco ou seis meses para isso acontecer, se tudo correr bem", completou. 

Guedes ainda defendeu que após vacinados os grupos dos mais vulneráveis, como os idosos, seja liberada a aplicação da vacina em farmácias e clínicas. "Nos EUA as pessoas estão se vacinando até em drogaria. No Brasil, assim que trouxermos a vacina e tivermos vacinados os idosos, vamos usar o SUS, mas também rede de farmácia, profissionais qualificados em clínicas, vamos usar todo mundo", disse. 

"A vacinação em massa derruba o desemprego rapidamente, derruba a taxa de mortalidade rapidamente, ela permite o retorno seguro ao trabalho", completou.

O ministro voltou a dizer que em 2021 o Brasil será "a maior fronteira de investimentos". "Ninguém vai oferecer tantas oportunidades quanto a economia brasileira. A medida que isso (privatizações e marcos legais) entra no Congresso, nós começamos a pensar em retomada sustentável do crescimento econômico", acrescentou.