Cade dá aprovação final para venda da Biosev à Raízen

Com aquisição, Raízen passará a contar com um total de 35 unidades produtoras e capacidade instalada para 105 milhões de toneladas de cana

Nayara Figueiredo, da Reuters
18 de março de 2021 às 21:11 | Atualizado 18 de março de 2021 às 21:12
Usina de processamento de cana-de-açúcar em Pradópolis, SP (13/09/2018)
Usina de etanol: para cada queda de R$ 0,10 no preço do combustível, receitas anuais caem R$ 10 milhões
Foto: Paulo Whitaker/Reuters

O Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) deu aprovação final para a venda das usinas da Biosev à Raízen, informaram as companhias nesta quinta-feira em comunicados separados.

O negócio da Biosev com a Raízen, uma joint venture da Cosan e da Shell, já havia sido aprovado sem restrições pelo órgão brasileiro de defesa da concorrência, no início deste mês.

"(Agora) a aprovação sem restrições... tornou-se final e definitiva após o decurso do prazo de 15 dias contado da publicação da referida decisão no Diário Oficial da União, em 02 de março de 2021, nos termos da legislação aplicável", afirmou a Biosev.

A Raízen destacou, porém, que a consumação da transação permanece sujeita ao cumprimento de outras condições precedentes, incluindo a conclusão da reorganização societária e a reestruturação do endividamento financeiro da Biosev.

A transação, anunciada em fevereiro, envolve o pagamento de R$ 3,6 bilhões e ações. Com a aquisição, a Raízen passará a contar com um total de 35 unidades produtoras, totalizando uma capacidade instalada de 105 milhões de toneladas de cana.