Consumo de energia aumenta no país, mesmo com a queda em demanda

O avanço foi de1,5% na primeira quinzena de março ante o mesmo período de 2020, alcançando 65.689 megawatts (MW) médios

Luciano Costa e Roberto Samora, da Reuters
25 de março de 2021 às 12:19 | Atualizado 25 de março de 2021 às 12:27
Torres de distribuição de energia
Torres de distribuição de energia
Foto: Marcello Casal Jr./Agência Brasil

 O consumo de energia elétrica no Brasil avançou 1,5% na primeira quinzena de março ante o mesmo período de 2020, alcançando 65.689 megawatts (MW) médios, apesar de forte queda na demanda dos setores de serviços e comércio, impactados por medidas pelo país que visam frear o avanço do coronavírus, apontou a Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE).

A CCEE alertou que os dados ainda são preliminares, mas já mostram que, dos 15 ramos de atividades monitorados, "houve queda de consumo naqueles pressionados pelo recrudescimento das medidas de combate à Covid-19".

Os setores mais afetados foram os de serviços, com queda de 14,6%, e bebidas, com recuo de 7,6%. O comércio registrou queda de 7%.

Os segmentos que apresentaram maiores taxas de crescimento foram quase todos eletrointensivos: metalurgia e produtos de metal (7,9%), extração de minerais metálicos (7,8%), minerais não-metálicos (3,5%) e químicos (3,1%).

Na primeira parte de março, o consumo no ambiente livre (ACL) registrou crescimento de 6,3%, enquanto no regulado (ACR) caiu 0,7% na comparação anual.