Fiat estuda interromper parte da produção da fábrica de Betim (MG)

A montadora comunicou os trabalhadores que deve dar férias a um grupo de 800 a 1.000 funcionários a partir da semana que vem

Eduardo Laguna, do Estadão Conteúdo
08 de abril de 2021 às 12:57
Trabalhadores em fábrica de montagem em meio à pandemia de Covid-19, Betim (MG)
Trabalhadores em fábrica de montagem em meio à pandemia de Covid-19, Betim (MG)
Foto: REUTERS/Washington Alves

 

Com a indústria automotiva ainda pressionada pela irregularidade no fornecimento de peças, mais grave agora em componentes eletrônicos, a Fiat avalia voltar a suspender parte da produção da fábrica de Betim (MG). A montadora, que lidera o mercado neste ano, comunicou na quarta-feira (7) os trabalhadores que deve dar férias a um grupo de 800 a 1.000 funcionários a partir da semana que vem.

O período ainda está para ser definido. Porém, embora confirme o anúncio, o grupo Stellantis, dono da marca, informa que ainda não "bateu o martelo" sobre a paralisação, que atingiria um turno de uma das três linhas de produção em Betim, a exemplo do que aconteceu no mês passado.

Apesar da paralisação na semana passada da maioria das montadoras do País em decorrência do agravamento da crise sanitária, e dos pedidos do sindicato da região pela suspensão completa das atividades da fábrica de Betim para evitar contaminações, a parada da Fiat não é atribuída internamente ao pior momento da pandemia no Brasil, mas sim às dificuldades no abastecimento de insumos.