Ibovespa fecha em queda com correção no setor financeiro; dólar cai a R$ 5,33

Investidores aproveitaram a alta dos papéis de bancos no último pregão para realizar lucros. As ações da B2W tiveram a maior valorização do índice

Matheus Prado e Leonardo Guimarães, do CNN Brasil Business, em São Paulo*
29 de abril de 2021 às 09:18 | Atualizado 30 de abril de 2021 às 00:53

O dólar abandonou a tendência de valorização da manhã para fechar a quinta-feira (29) em queda ante o real. A moeda norte-americana recuou 0,49%, para R$ 5,3347. 

Na B3, o Ibovespa caiu depois de uma forte valorização na véspera. O índice recuou 0,82% para 120.065 pontos, pressionado pelo setor financeiro e pela Petrobras (PETR3, PETR4), que teve desvalorização de 1,5%. 

A B2W (BTOW3), que anunciou que irá combinar negócios com as Lojas Americanas (LAME3, LAME4), avançou 7,69% e teve a maior valorização do pregão. Os papéis da Lojas Americanas, por outro lado, lideraram as quedas com recuo de 5,17%.

As ações do Santander (SANB11) puxaram a fila da correção no setor bancário, com queda de 3,87% após forte alta na véspera. Itaú (ITUB4) teve queda de 3,15% e Bradesco (BBDC3, BBDC4) teve desvalorização de 3,4%. 

Foto: CNN

No cenário político, a CPI da Covid é o principal assunto. A comissão aprovou nesta quinta-feira a convocação do atual ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, e dos ex-titulares da pasta Luiz Henrique Mandetta, Nelson Teich e Eduardo Pazuello, além do presidente da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), Antônio Barra Torres.

Globalmente o clima é positivo após o anúncio de um novo plano de estímulos trilionário pelo presidente dos EUA, Joe Biden e o Federal Reserve (Fed, o banco central americano) pontuar que vai começar sem pressa a apertar sua política monetária.

Investidores também reagiam ao resultado do PIB dos EUA. A economia norte-americana cresceu a uma taxa anualizada de 6,4% no trimestre passado, acima das expectativas do mercado, anunciou o governo nesta quinta-feira (29). 

Lá fora

O índice S&P 500 fechou em máxima recorde nesta quinta-feira, impulsionado por ganhos nas ações do Facebook após seu forte relatório de lucros, enquanto investidores aguardam agora os resultados da Amazon.

O Dow Jones subiu 0,71% para 34.060 pontos, enquanto o S&P 500 avançou 0,68% para 4.211 pontos, e o Nasdaq Composite teve alta de 0,22% a 14.082 pontos.

Os papéis do Facebook atingiram um pico intradiário, após a empresa superar expectativas do mercado de receita e lucro trimestrais ao divulgar na quarta-feira seu balanço, ajudado por um aumento nos gastos com anúncios digitais durante a pandemia e preços mais altos desse serviço. As ações subiram 7,3%, para US$ 329,51. 

As bolsas da Ásia e do Pacífico fecharam majoritariamente em alta. Na China continental, o índice acionário Xangai Composto subiu 0,52%, a 3.474,90 pontos, e o menos abrangente Shenzhen Composto avançou 0,20%, a 2.305,65 pontos. Em Hong Kong, o Hang Seng se valorizou 0,80%, a 29.303,26 pontos.

Também no azul ficou o mercado australiano, o maior da Oceania, com alta de 0,25% do S&P ASX/200, a 7.082,30 pontos.

Por outro lado, o sul-coreano Kospi caiu 0,23% em Seul, a 3.174,07 pontos, após uma sessão volátil, e o Taiex ficou estável em Taiwan, em 17.566,66 pontos. Em Tóquio, não houve negócios hoje devido a um feriado no Japão.

O tom predominantemente positivo na Ásia veio após o Fed deixar sua política monetária inalterada ontem, como era amplamente esperado, e o presidente do BC americano, Jerome Powell, afirmar que ainda não é hora de começar a falar sobre a redução dos agressivos estímulos que foram adotados desde o ano passado, em reação aos efeitos da pandemia de Covid-19.

Além disso, Biden anunciou um plano de US$ 1,8 trilhão voltado para as famílias dos EUA, em discurso feito no Congresso americano ontem à noite, após ter garantido a aprovação de um pacote fiscal de US$ 1,9 trilhão no mês passado.

*Com informações de Estadão Conteúdo e Reuters