Crescimento empresarial da zona do euro avança em ritmo forte em maio

As empresas de serviços se beneficiaram da demanda reprimida

Jonathan Cable, da Reuters
21 de maio de 2021 às 09:37
REUTERS/Sarah Meyssonnier
Foto: Cafés e restaurantes franceses reabrem (Europa)

 O crescimento empresarial da zona do euro acelerou em maio no ritmo mais forte em mais de três anos, uma vez que o ressurgimento do setor de serviços somou-se ao ímpeto da indústria, mostrou a pesquisa Índice de Gerentes de Compras (PMI, na sigla em inglês).

Com mais empresas reabrindo --ou ao menos se adaptando aos lockdowns --o PMI Composto preliminar do IHS Markit subiu a 56,9 de 53,8 em abril.

Esse foi o nível mais alto desde fevereiro de 2018 e ficou confortavelmente acima da marca de 50 que separa crescimento de contração e da expectativa de 55,1 em pesquisa da Reuters.

"As medidas de contenção do vírus foram aliviadas em maio para o menor nível desde outubro, facilitando a melhora especialmente no setor de serviços, que foi acompanhada de outra expansão quase recorde da indústria", disse Chris Williamson, economista-chefe do IHS Markit.

O PMI preliminar de serviços subiu a 55,1 de 50,5 em abril e contra expectativa de 52,3, na sua máxima desde junho de 2018.

As empresas de serviços se beneficiaram da demanda reprimida, com o subíndice de novos negócios saltando a 56,7 de 49,7, patamar mais elevado desde janeiro de 2018.

O setor industrial enfrentou a pandemia de forma muito melhor do que o de serviços já que as fábricas permaneceram abertas. Seu PMI caiu a 62,8 ante a máxima recorde de abril de 62,9, mas acima da expectativa de 62,5.