Maioria das bolsas da Ásia fecha em alta, de olho em indicadores chineses

O japonês Nikkei caiu 0,99% em Tóquio, a 28.860,08 pontos, pressionado por ações financeiras e dos setores de máquinas e imobiliário

Sergio Caldas, do Estadão Conteúdo
31 de maio de 2021 às 07:52 | Atualizado 31 de maio de 2021 às 07:57
bolsa china
Foto: Aly Song/Reuters

As bolsas asiáticas fecharam majoritariamente em alta nesta segunda-feira (31) após a divulgação de indicadores chineses mistos de atividade econômica.

Na China continental, o Xangai Composto subiu 0,41%, a 3.615,48 pontos, enquanto o menos abrangente Shenzhen Composto avançou 1,10%, a 2.419,76 pontos, graças ao bom desempenho de ações do setor de energia renovável.

Dados oficiais mostraram que o índice de gerentes de compras (PMI, na sigla em inglês) industrial chinês recuou para 51 em maio, contrariando expectativa de que permanecesse no patamar de 51,1 de abril. Por outro lado, o PMI de serviços da China avançou de 54,9 para 55,2 no mesmo período. As leituras acima de 50 sugerem expansão de atividade.

Em outras partes da Ásia, o Hang Seng teve leve valorização de 0,09% em Hong Kong, a 29.151,80 pontos, o sul-coreano Kospi avançou 0,48% em Seul, a 3.203,92 pontos, e o Taiex registrou ganho de 1,17% em Taiwan, a 17.068,43 pontos.

Por outro lado, o japonês Nikkei caiu 0,99% em Tóquio, a 28.860,08 pontos, pressionado por ações financeiras e dos setores de máquinas e imobiliário. A tendência de infecção por Covid-19 no Japão está sendo acompanhada de perto, após o governo decidir estender medidas emergenciais em várias regiões até 20 de junho.

Também ficou no vermelho a bolsa australiana, a principal da Oceania, após encerrar o pregão anterior em nível recorde. Há preocupações de que Victoria, segundo estado mais populoso do país, precise prorrogar o lockdown local. O S&P/ASX 200 recuou 0,25% em Sydney hoje, a 7.161,60 pontos.