Startup de seguros de carros Tractable chega ao Brasil

Um dos planos da startup é ir além dos carros: uma das áreas que estão no radar é a de seguro de casas

Giovanna Wolf, do Estadão Conteúdo
18 de junho de 2021 às 11:50
Startup
Dia de trabalho em uma startup: dependentes de capital intensivo, startups sentiram rápido os efeitos da pandemia na economia
Foto: Startaê Team/Unplash

 A startup britânica Tractable, que usa inteligência artificial (IA) para ajudar seguradoras a acelerar o processo de reparo de carros após acidentes, anunciou nesta quinta (17) um aporte de US$ 60 milhões - com o novo cheque, a empresa afirma que atingiu o status de unicórnio (avaliação de US$ 1 bilhão).

Além de turbinar a tecnologia e investir em mais produtos, parte dos novos recursos será usada para abrir uma operação no Brasil. A rodada foi liderada pela Insight Partners e pela Georgian.

 Fundada em 2014, a Tractable atua em 13 países - ao todo, tem cerca de 20 seguradoras parceiras, entre elas nomes como Geico, Ageas e Sompo Japão. Usando visão computacional, a startup acelera a avaliação de danos em acidentes de veículos. A IA reconhece sem auxílio humano quais partes do carro foram danificadas e calcula os custos do reparo - a startup afirma que processa milhões de sinistros por ano na parte de seguros de automóveis.

"A partir da filmagem do carro, a IA consegue identificar quais partes do veículo estão danificadas e calcular o custo do reparo", explicou ao Estadão o brasileiro Bruno Ferreira, que é head mundial de vendas na Tractable.

"Com essa tecnologia, em vez de esperar um mês para o orçamento ser feito na oficina e depois o veículo ir para o reparo, aceleramos o processo para uma semana."

Com o aporte, um dos planos da startup é ir além dos carros: uma das áreas que estão no radar é a de seguro de casas.

Expansão

A empresa começará a operação no País ao lado de seus clientes globais que operam por aqui - mas conversas com seguradoras locais também já começaram, diz Ferreira. "É um mercado com alta quantidade de sinistros. Já começamos o recrutamento em São Paulo e devemos começar a operar no segundo semestre", afirma ele.