Fluxo cambial fica positivo em US$ 4,4 bi em junho, melhor para o mês desde 2007

A conta financeira — em que são registrados fluxos para portfólio, empréstimos e investimentos em geral — mostrou sobra de US$ 2,644 bilhões em junho

José de Castro, da Reuters
07 de julho de 2021 às 15:29
Pilha de dólares; moeda americana atinge valor recorde no Brasil
Com ameaça do coronavírus, dólar tem renovado recorde nos pregões da Bolsa de São Paulo
Foto: Guadalupe Pardo/Reuters (14.10.2015)

 

O Brasil teve em junho a maior entrada líquida de dólares pelo câmbio contratado para o mês desde 2007, resultado puxado pela virada para positivo no fluxo financeiro.

O superávit foi de US$ 4,449 bilhões, mais do que revertendo resultado negativo de US$ 1,821 bilhão em maio, de acordo com dados divulgados pelo Banco Central nesta quarta-feira.

É o melhor número desde fevereiro de 2019 (+US$ 8,626 bilhões) e o mais robusto para o mês desde 2007 (+ US$ 16,561 bilhões).

A conta financeira — em que são registrados fluxos para portfólio, empréstimos e investimentos em geral — mostrou sobra de US$ 2,644 bilhões em junho, após contabilizar saída líquida de US$ 4,089 bilhões no mês anterior.

Já o câmbio contratado para operações comerciais teve saldo positivo de 1,805 bilhão de dólares, abaixo de US$ 2,268 bilhões de maio.

A atualização semanal dos dados pelo BC trouxe ainda os números dos dois primeiros dias de julho, com resultado negativo de US$ 183 milhões.

De forma geral, 2021 tem sido um ano de expressiva melhora no fluxo cambial contratado para o Brasil. Dos seis primeiros meses do ano, apenas maio registrou saída líquida de recursos, e o resultado do semestre mostrou ingresso de US$ 15,341 bilhões.

No acumulado do ano, o superávit é de US$ 15,158 bilhões, bastante diferente do visto no mesmo período do ano passado (déficit de US$ 12,867 bilhões).