Ásia: bolsas fecham em alta, com recordes em Wall Street e exportações chinesas

As importações chinesas igualmente subiram mais do que se previa no mês passado, mas em ritmo consideravelmente menor do que em maio

Sergio Caldas, do Estadão Conteúdo
13 de julho de 2021 às 08:26
bolsa ásia
Foto: Aly Song/Reuters

As bolsas asiáticas fecharam em alta nesta terça-feira (13) após mais um dia de recordes em Wall Street e com o desempenho bem melhor do que o esperado das exportações chinesas no último mês.

O índice acionário japonês Nikkei subiu 0,52% em Tóquio hoje, a 28.718,24 pontos, enquanto o Hang Seng avançou 1,63% em Hong Kong, a 27.963,41 pontos, o sul-coreano Kospi se valorizou 0,77% em Seul, a 3.271,38 pontos, e o Taiex registrou ganho de 0,19% em Taiwan, a 17.847,52 pontos.

Na China continental, o Xangai Composto avançou 0,53%, a 3.566,52 pontos, e o menos abrangente Shenzhen Composto subiu 0,27%, a 2.491,97 pontos.

Ontem, as bolsas de Nova York tiveram ganhos modestos, mas suficientes para renovar máximas de fechamento, à espera do início da temporada de balanços corporativos nos EUA e de novos dados de inflação ao consumidor (CPI) do país, a ser divulgados nas próximas horas.

Já a China surpreendeu com um salto anual de 32,2% nas exportações de junho, maior do que o acréscimo de 27,9% de maio e também bem acima das expectativas. 

As importações chinesas igualmente subiram mais do que se previa no mês passado, mas em ritmo consideravelmente menor do que em maio.

Os sólidos dados da balança comercial chinesa vêm num momento de dúvidas sobre o grau de recuperação da segunda maior economia do mundo, após os choques da pandemia de Covid-19.

Na Oceania, a bolsa australiana fechou praticamente estável, com baixa marginal de 0,02% do S&P/ASX 200, a 7.332,10 pontos, apagando ganhos de mais cedo no pregão.