Em busca de trabalhadores nos EUA, McDonald's aumenta salários e benefícios

Muitos restaurantes do país estão lutando para encontrar funcionários em meio à recuperação da pandemia

Estadão Conteúdo*
12 de julho de 2021 às 22:01
Logo do McDonald´s
Foto: May James/SOPA Images/LightRocket via Getty Images

Os proprietários da McDonald's estão adicionando assistência infantil emergencial e outros benefícios a seus empregados, já que muitos restaurantes dos Estados Unidos estão lutando para encontrar funcionários para operarem seus negócios.

Os franqueados americanos da gigante dos hambúrgueres prometem aumentar o pagamento por hora, dar aos trabalhadores folgas remuneradas e ajudar a cobrir os custos de mensalidades para atrair os trabalhadores de que precisa e para melhorar a imagem da Golden Arches, dona da rede, como empregadora.

A matriz corporativa do McDonald's disse que está fazendo um investimento multimilionário para apoiar os esforços das franquias.

A mão de obra surgiu como um dos maiores desafios para a recuperação pós-pandemia da economia dos EUA, particularmente em serviços que dependem de um grande número de trabalhadores para preparar refeições ou fazer camas.

Os restaurantes no ano passado tiveram algumas das maiores demissões, já que a Covid-19 provocou fechamentos e restrições, e a indústria agora está lutando para trazer de volta trabalhadores e encontrar novos.

O emprego em restaurantes e bares permanece 1,3 milhão de trabalhadores menor do que quando a pandemia começou a se espalhar pelos EUA, enquanto outros setores quase voltaram ao pleno emprego.

O McDonald's, um dos maiores empregadores dos EUA, com cerca de 800 mil trabalhadores nos restaurantes da rede, é observado de perto por outros na indústria por seus movimentos salariais.

A empresa disse em maio que aumentaria os salários iniciais em seus restaurantes de propriedade corporativa de US$ 11 para US$ 17 a hora, e disse que continuaria avaliando os salários para serem competitivos.

*Com informações da Dow Jones Newswires