57% de investidores institucionais creem que bitcoin subirá com piora da guerra

O restante (43%) espera que a moeda se comporte como um ativo de risco e acompanhe uma eventual queda no mercado acionário

Criptomoedas
Criptomoedas Kanchanara/ Unsplash

Aramis Merki II, do Estadão Conteúdo

Ouvir notícia

A maioria dos investidores institucionais do mercado cripto acredita que o preço do bitcoin deve subir em caso de piora do conflito geopolítico internacional desencadeado pela guerra entre Rússia e Ucrânia. Em pesquisa da plataforma OSL, 57% dos entrevistados apontou que o ativo vai ser acessado como um porto seguro.

O restante (43%) espera que a moeda se comporte como um ativo de risco e acompanhe uma eventual queda no mercado acionário.

Guilherme Rebane, responsável pelo desenvolvimento de novos negócios da OSL para o Brasil, aponta que “quando observado em um horizonte de tempo maior, o bitcoin é conhecido por sua descorrelação ao mercado”.

Ele destaca, porém, que em intervalos menores o comportamento da moeda digital pode seguir outros ativos. A queda recente das empresas de tecnologia e o movimento do mercado acionário em março de 2020, na eclosão da pandemia, são exemplos, cita Rebane.

A enquete foi feita com clientes da OSL, público institucional que inclui fundos e grandes players do setor em diversos países da América, incluindo o Brasil.

A empresa é especializada em negociação de ativos digitais e software como serviço (SAAS) na área cripto e tem a Hashdex e a QR Asset entre os clientes brasileiros.

Desde 24 de fevereiro, quando começou o conflito entre Rússia e Ucrânia, o bitcoin teve alta de mais de 37%. No dia em que houve a invasão russa, a criptomoeda chegou a cair mais de 11%. No dia seguinte, a valorização atingiu 16%. “Cabe aos participantes do mercado definir em quais momentos e quais crises as propriedades do bitcoin irão favorecê-los”, afirma o texto.

Mais Recentes da CNN